Nelson Almeida/ AFP
Nelson Almeida/ AFP

Técnico da Bolívia se diz preocupado em como reanimar time após goleada

'É difícil perder por tamanha diferença de gols. Isso afeta demais o ânimo', disse Hoyos

Ciro Campos, enviado especial a Natal, Estadão Conteúdo

07 Outubro 2016 | 12h00

Resgatar a autoconfiança, aprender com os erros e superar a tristeza. O técnico da Bolívia, o argentino Angel Hoyos, manifestou bastante preocupação em como está o astral da equipe depois da derrota por 5 a 0 para o Brasil, em Natal, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. O plano dele é atuar nos próximos dias como motivador para fazer os jogadores superarem a goleada.

Hoyos explicou que será preciso um trabalho psicológico rápido para que na terça-feira, em La Paz, o grupo esteja preparado para enfrentar o Equador. "É difícil perder por tamanha diferença de gols. Isso afeta demais o ânimo. Vamos tentar recuperar os jogadores, porque sei que eles deram tudo dentro de campo. Precisamos ter novo astral", disse o treinador.

Foi o terceiro jogo do técnico no cargo, com a primeira derrota. Antes, havia vencido o Peru e empatado com o Chile. "Enfrentamos o Brasil no melhor momento deles nas Eliminatórias. É uma equipe forte, com um ótimo treinador, a quem eu mando meus cumprimentos", comentou Hoyos. Assim como o argentino, Tite também fez o terceiro jogo no comando da seleção brasileira.

O treinador da Bolívia admitiu que a estratégia de tentar se defender o máximo possível ruiu muito rápido porque o elenco se descontrolou com os gol marcados logo cedo pelo Brasil. Foram quatro só no primeiro tempo. "Não tivemos uma noite feliz. Temos 27 pontos para disputar pelas Eliminatórias, e vamos atrás deles. Eu sou otimista, nunca renuncio a algo. Dentro de cinco dias vamos tentar ganhar e recuperar", disse.

A derrota fez a Bolívia cair uma posição na tabela. A equipe é a nona entre dez participantes, com sete pontos ganhos em nove jogos. Em todo o primeiro turno, foram somente duas vitórias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.