Gabriel Bouys/AFP
Gabriel Bouys/AFP

Técnico da Croácia nega favoritismo contra Dinamarca, mas já mira Espanha

Caso croatas passem pelos dinamarqueses nas oitavas no domingo, podem enfrentar os espanhóis, que jogam contra a Rússia

Estadão Conteúdo

27 Junho 2018 | 19h20

Uma das sensações desta primeira fase da Copa do Mundo, a Croácia chega para as oitavas de final com 100% de aproveitamento e como líder de um grupo com Argentina, Islândia e Nigéria. Agora, o adversário é a Dinamarca, que não convenceu em nenhum dos três jogos disputados na fase de grupos. Mesmo assim, o técnico Zlatko Dalic descartou o favoritismo croata.

+ Croácia vence, confirma liderança do Grupo D e elimina a Islândia da Copa

+ Perisic prega pés no chão da Croácia nas oitavas: 'Precisamos jogar muito melhor'

+ Técnico da Croácia garante passar da Dinamarca: 'Não será nosso fim'

"Nós não somos favoritos para a partida contra a Dinamarca, está em 50% para cada lado. Vai ser um jogo disputado de forma muito firme, taticamente falando. Nosso objetivo é claro: as quartas de final", comentou, às vésperas do duelo que vai acontecer no domingo, às 15 horas (de Brasília) em Nijni Novgorod.

Mas diante de tantas perguntas sobre a sequência da Croácia no torneio caso passe da Dinamarca, Dalic não escondeu a ansiedade para um possível duelo com a Espanha. Caso os croatas avancem nas oitavas e os espanhóis derrotem a Rússia, os países vão se encarar nas quartas de final dia 7 de julho, em Sochi.

"Agora, estamos preocupados com a Dinamarca e com Eriksen, mas se Deus quiser o Iniesta e a Espanha virão mais tarde. Ele é um grande jogador, de grande classe e popular. Mas, agora, nos preocupa apenas a Dinamarca e Eriksen. Se conseguirmos passar, teremos mais tempo para falar de Iniesta e Espanha", comentou.

 

Dalic ainda pregou respeito aos dinamarqueses e prometeu utilizar os próximos dias para estudar a fundo o adversário. "Temos três dias para estudar intensamente a Dinamarca, para ver todos os lados bons e ruins. Mas sigo dizendo que tudo depende de nós, e a confiança que tenho em minha equipe é ilimitada. Mas tenho um grande respeito e quero ser precavido."

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.