Antonio Calanni/AP
Antonio Calanni/AP

Técnico da Itália reconhece que Brasil é o time mais forte

'Embora todos falem da Espanha, ela nunca ganhou um Mundial', discursa o treinador Marcello Lippi

EFE

15 de junho de 2009 | 10h05

PRETORIA - O técnico da Itália, Marcello Lippi, disse em entrevista coletiva que o Brasil é a seleção mais forte nesta Copa das Confederações, mas que sua seleção não deve nada ao rival do Grupo B.

Veja também:

Copa das Confederações 2009 - tabela Classificação

Copa das Confederações 2009 - lista Calendário

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"O Brasil é o mais forte, mas caiu nas quartas-de-final da Copa do Mundo de 2006", comentou o treinador, lembrando em seguida que os italianos foram campeões na Alemanha.

Lippi disse que não há tanta diferença assim entre Brasil, Itália e Espanha, apontados como favoritos ao título na África do Sul. "Somos ou não campeões do mundo?", perguntou.

"Embora todos falem da Espanha, ela nunca ganhou um Mundial e voltou a vencer a Eurocopa após 40 anos. Apostaram em um grupo jovem e demoraram seis a sete anos para ganhar algo. Estariam dispostos a esperar tanto na Itália?", ressaltou.

O técnico também defendeu o grupo convocado para o torneio, com média de idade superior às de Brasil e Espanha. "Meus velhinhos estão bem entrosados. Poucos elencos no mundo têm tanta vontade e qualidade, principalmente em um torneio curto como esse", comentou.

A Itália tem média de 28,5 anos entre os convocados, enquanto a do Brasil é de 27,5 e a da Espanha, 26,5.

Ele terminou a coletiva afirmando que a equipe atual não jogará até a idade de aposentadoria, mas será capaz de jogar "muito bem" na Copa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.