Técnico da Itália se recusa a falar sobre Cassano

Marcello Lippi, técnico da seleção italiana, se recusou a detalhar os motivos que o fez não convocar o atacante Antonio Cassano para os jogos contra Montenegro e Irlanda, pelas Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo de 2010.

AE, Agencia Estado

24 de março de 2009 | 14h57

"Tenho minhas convicções e não tenho que dar explicações", disse. Cassano é o principal destaque da Sampdoria nesta temporada, com oito gols marcados. Além disso, participou de oito dos dez gols feitos por Giampaolo Pazzini, que chegou ao time genovês em janeiro.

Pazzini foi convocado pela primeira vez para defender a seleção italiana e teve que comentar a ausência de seu companheiro de equipe. "Várias vezes me disse que com seus passes me faria ser chamado para a seleção. E assim foi. Só posso dizer que Cassano é um grande jogador. Mas são decisões que eu não tomo. Não se pode esquecer que Lippi é um campeão mundial e tem a última palavra", disse.

Cassano tem fama de rebelde. Seu talento é inquestionável, mas também causa problemas por conta do seu temperamento. Além disso, os seus detratores lembram que ele não gosta de ajudar na marcação, algo vital para Marcello Lippi. O atacante foi convocado apenas duas vezes pelo treinador. Ele participou de 15 jogos pela Itália e marcou três gols.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.