Técnico da Ponte aposta na motivação para conseguir a virada

Sérgio Guedes acredita que trabalho psicológico conseguirá elevar o ânimo para o jogo no Palestra Itália

Giuliander Carpes, Jornal da Tarde

30 de abril de 2008 | 18h50

Seu jeito de falar é calmo e bem articulado. Gosta de dar ênfase à confiança de cada jogador em si mesmo e procura tirar o máximo de seus comandados na base da motivação. Durante a semana, o técnico Sérgio Guedes, da Ponte Preta, vai aprofundar o trabalho psicológico do time. A meta é uma só: tentar reverter a vantagem do Palmeiras na final do Paulistão. Veja também: Cléber Abade é quem vai apitar a final Sérgio Guedes tentará mostrar aos jogadores que os números da Ponte no campeonato são amplamente favoráveis. Tudo para recuperar a fé no trabalho que vem sendo feito. "A força e a motivação vão sair de dentro da cabeça de cada um", avisou o treinador. Para ter sucesso na empreitada, o treinador utiliza vários métodos. Começou a semana com uma conversa. Mais adiante, vai passar trechos de filmes que mostram grandes reviravoltas. Um exemplo: "A Luta pela Esperança", que conta a história de um boxeador decadente, sem dinheiro e lesionado que consegue recuperar o prestígio.  "Aposto em tudo que possa sensibilizá-los", contou Sérgio Guedes, ao comentar sua tática de motivação com os jogadores da Ponte. "A idéia não é comover, é motivar. Amanhã ou depois são eles que podem estar num filme contando o que eles estão prestes a fazer no Palestra Itália. Quem sabe?" Sérgio Guedes pegou a idéia de mostrar filmes com seus antigos treinadores - Cilinho, seu comandante no Santos na década de 80, era um dos que utilizava o método. Ele lembra até hoje qual foi o primeiro vídeo "motivador" a que assistiu: "Carruagens de Fogo". Da história de atletas ingleses com caráter vencedor e que lutavam pela vitória com todas as forças, o técnico da Ponte tira lições para o time. "O mérito da campanha é todo deles [dos jogadores]. A fé no que eles podem fazer também. Eles são os atores principais dessa decisão", explicou. "O último capítulo dessa história quem vai escrever são eles."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.