Técnico da Ponte cobra evolução após segunda derrota seguida

Perder dois jogos seguidos no Campeonato Brasileiro não é fácil para ninguém, muito menos para a Ponte Preta apontada no início da competição como uma das candidatas ao rebaixamento. Mas o jovem técnico Eduardo Baptista procurou mostrar tranquilidade e não temer o futuro do time após levar 3 a 0 do Corinthians, na quinta-feira, e a virada do Flamengo, por 2 a 1, neste domingo.

Estadão Conteúdo

29 de maio de 2016 | 14h29

"Nós estamos com um grupo ainda em formação. Alguns jogadores estão entrando agora, como o William Pottker, o Roger e o Renê Júnior. Além de outros, como o Thiago Galhardo, que já tem entrado bem nos jogos", argumenta Batista, reforçando que tem "20 anos de estrada". Tanto que destacou um detalhe quando entrou no vestiário.

"Fiquei quieto num canto e vi a reação dos jogadores. Principalmente do Roger, que deu um ânimo para todos. Isso nos dá força para continuar trabalhando", diz. Além disso, fez questão de elogiar o Flamengo, "que é um time qualificado e que foi bem armado na marcação e teve o Muralha numa tarde inspirada".

Para ele, a derrota aconteceu porque "nós criamos chances e não fizemos os gols. Faltou caprichar um pouco mais no último passe e também nas finalizações". E completou: "Tivemos duas falhas de atenção e pagamos com a derrota". Agora, o time fará dois jogos fora na sequência do Brasileirão, contra o América-MG e Grêmio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.