Giuseppe Cacace/AFP
Giuseppe Cacace/AFP

Técnico da Rússia se irrita com pergunta sobre doping após vitória

Stanislav Cherchesov primeiro afirmou que não entendeu o questionamento e depois foi duro com o repórter e não respondeu

Estadão Conteúdo

19 Junho 2018 | 20h18

Segunda vitória em dois jogos, oito gols marcados, seis pontos ganhos no Grupo A, classificação encaminhada para as oitavas de final e torcedores empolgados fazendo festa nos estádios e pelas ruas do país anfitrião. O técnico da Rússia, Stanislav Cherchesov, tinha tudo para estar com sorriso de orelha a orelha na entrevista coletiva após o triunfo sobre o Egito por 3 a 1, nesta terça-feira, em São Petersburgo, mas ficou irritado na conferência de imprensa depois de uma pergunta sobre doping.

+ Rússia vence o Egito e fica muito perto de vaga nas oitavas de final

+ Dzagoev lamenta lesão, mas já projeta volta: 'Ainda tenho esperanças'

+ Após estreia da Rússia, Mário Fernandes relembra erros no Brasil: 'Bebia muito'

A possibilidade de os jogadores russos estarem fazendo jogo sujo está sendo ventilada nas redes sociais, em comentários que vão desde brincadeiras aos mais jocosos. Mas, de maneira séria, um jornalista citou reportagem da rede de TV alemã ARD, publicada nesta semana, que mostrou novidades dos últimos casos de doping de atletas russos de outras modalidades e do futebol. E indagou sobre esses rumores virem à tona novamente durante o Mundial. Stanislav Cherchesov não gostou.

Primeiro, disse que não entendeu o questionamento. Depois, foi duro com o repórter e não respondeu. "Esta é uma entrevista coletiva depois de um jogo. Isso não tem relação. Talvez (fosse melhor) uma pergunta sobre o jogo", esbravejou o treinador. O profissional mudou o assunto. E as respostas não tiveram mais a empolgação natural depois de mais uma vitória russa na Copa do Mundo em casa.

A reportagem do veículo de comunicação alemão apontou, assim como outras mídias fizeram pouco tempo atrás, um suposto esquema para acobertar o usos de substâncias proibidas por parte de atletas russos, inclusive com ajuda do governo. Os casos teriam chegado ao futebol e uma amostra de urina do zagueiro Kambolov teria sido trocada em junho de 2015. O jogador chegou a ser investigado, mas o processo foi arquivado por falta de provas. O defensor foi um dos pré-convocados por Stanislav Cherchesov para o Mundial, mas foi um dos cinco cortados na lista final.

 

Sobre o jogo contra o Egito, o técnico disse que fez o "dever de casa". "Aprendemos com nossos erros. Nós estamos muito felizes que tenhamos duas vitórias e estejamos dando alegria para nossos torcedores". Ao se levantar para ir embora ao final da entrevista coletiva, foi aplaudido por alguns profissionais de imprensa.

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.