Ozan Kose/AFP
Ozan Kose/AFP

Técnico da Sérvia exalta 'superpotência' Brasil, mas mantém confiança na vaga

Sérvios decidem vaga com os brasileiros na quarta-feira, em Moscou

Estadão Conteúdo

23 Junho 2018 | 16h26

A derrota para a Suíça na última sexta-feira, por 2 a 1, complicou a vida da Sérvia na Copa do Mundo. Na terceira colocação do Grupo E, a equipe precisa vencer o Brasil na última rodada, quarta que vem, em Moscou, se quiser garantir vaga nas oitavas de final sem depender de um triunfo da eliminada Costa Rica sobre os suíços.

+ Preocupado, técnico da Sérvia promete empenho contra o Brasil

+ Imprensa da Suíça critica gestos de apoio ao Kosovo feitos por Shaqiri e Xhaka

O técnico sérvio Mladen Krstajic reconheceu a dificuldade da tarefa e elogiou o Brasil, mas mostrou-se confiante. "Os garotos estão cientes do que precisamos fazer. O jogo com o Brasil decide tudo sobre o nosso futuro, vamos jogar contra o uma superpotência do futebol. Mas precisamos da vitória, não tem outro resultado", declarou neste sábado.

Apesar de já mirar o confronto com o Brasil, Krstajic ainda não esquece a derrota para a Suíça e segue irritado com a atuação do árbitro Felix Brych. O treinador voltou a reclamar de um suposto pênalti não marcado sobre Mitrovic no segundo tempo e questionou a atuação do VAR, que sequer alertou o juiz sobre o lance.

"Não daria cartão amarelo ou vermelho ao Brych. Eu o enviaria a um tribunal para que possam julgá-lo, como fazem conosco", atacou. "Desgraçadamente, parece que somente nós, sérvios, somos condenados com base em uma justiça seletiva."

 

A seleção sérvia enviou uma representação formal à Fifa contra a arbitragem, reclamando justamente da inatividade do VAR no lance e outros supostos erros. "Três jogadores nossos receberam cartões amarelos no primeiro tempo. Não foi uma casualidade", denunciou.

A derrota deixou o clima mais pesado na concentração sérvia, mas nada que Krstajic considere preocupante para quarta-feira. "O ambiente estaria melhor se tivéssemos conseguido uma vitória, mas a próxima partida será a decisiva", projetou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.