Georgi Licovski / EFE
Georgi Licovski / EFE

Técnico da Suécia diz que se inspira em eliminações de seleções campeãs do mundo

Janne Andersson espera que jogadores atinjam o potencial individual para alcançar a classificação

Estadão Conteúdo

02 Julho 2018 | 11h30

O técnico Janne Andersson aprovou as eliminações precoces de seleções campeãs do mundo nesta Copa realizada na Rússia. Prestes a disputar um duelo pouco badalado, o treinador prepara a Suécia para enfrentar a Suíça nas oitavas de final do torneio, às 11 horas (de Brasília) desta terça-feira, em São Petersburgo.

+ Técnico admite 'retranca' da Suécia: 'Todos os nossos jogadores são defensores'

+ Antes da Suécia, atacante suíço cita eliminação na Eurocopa de 2016: 'aprendemos'

+ Volante da Suécia vê Suíça favorita para oitavas, mas promete luta por vaga

"Alguns dos resultados são puramente fascinantes", disse Andersson em coletiva de imprensa concedida nesta segunda-feira, em São Petersburgo. "A realidade mostra que as maiores nações não vão vencer sempre. Para mim, saber disso é uma fonte de inspiração maior do que qualquer coisa", discursou o técnico.

A Suécia terminou em primeiro lugar no Grupo F, que teve a Alemanha na lanterna da chave. Outras campeãs do mundo que já foram eliminadas são Argentina e Espanha, enquanto a Itália nem se classificou para disputar o Mundial - perdeu para a seleção sueca na repescagem das Eliminatórias Europeias.

Contra a Suíça, Andersson espera que os jogadores da Suécia atinjam o potencial deles para a seleção se classificar. "Eu falo isso o tempo todo, é uma situação que devemos chegar ao melhor de cada um. É uma boa descrição do que precisamos tanto como indivíduos quanto como equipe. Necessitamos alcançar o mais absoluto alto nível, então vamos ter a chance de bater a Suíça", comentou o técnico.

 

Artilheiro da Suécia na Copa do Mundo até aqui, com dois gols de pênalti, o zagueiro Andreas Granqvist elogiou a seleção adversária. "Sabemos nossos pontos fortes e fracos, e o que nos trouxe tão longe. A Suíça também tem se saído muito bem por um longo período, por isso são favoritos nessa partida. A ideia de que podemos subestimar nosso adversário não existe", afirmou o defensor, que está prestes a ser pai.

"Estou totalmente focado no jogo contra a Suíça e minha esposa está muito bem", afirmou o sueco, sem planos de viajar para conhecer a criança durante o torneio. Granqvist também comentou a ausência de Ibrahimovic, deixado de fora da convocação de Andersson: "Outros jogadores puderam dar um passo à frente quando deixamos de contar com um dos maiores do mundo".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.