Johannes Eisele / AFP
Johannes Eisele / AFP

Técnico da Suíça diz que comemorações polêmicas ficaram no passado: 'Só futebol'

Vladimir Petkovic não confirma escalação da equipe para jogo decisivo contra a Costa Rica

Estadão Conteúdo

26 Junho 2018 | 13h30

A seleção da Suíça esqueceu as comemorações com cunho político de Shaqiri e Xhaka na última vitória sobre a Sérvia, por 2 a 1, e quer pensar apenas em futebol. O técnico diz que o episódio é página virada e a equipe está plenamente focada na Costa Rica, adversário desta quarta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Nijni Novgorod, pela Copa do Mundo da Rússia.

Na Copa do Mundo dos refugiados, dramas do passado vêm à tona

+ Lateral da Costa Rica quer vencer em despedida contra Suíça: 'Jogar nosso melhor'

"O mais importante é o futebol. É isso que temos em comum. Vivemos do futebol e das emoções que ele desperta e gera. O que passou, passou. Temos que nos concentrar somente nas partidas, só futebol. A melhor maneira para conseguirmos avançar no Mundial é jogar futebol", disse o técnico Vladimir Petkovic em entrevista coletiva concedida nesta terça-feira.

Shaqiri, que nasceu no Kosovo, região de maioria albanesa que fica em território sérvio e declarou independência unilateral em 2007, e Xhaka, filho de pais kosovares, foram multados pela Fifa em 10 mil francos suíços (cerca de R$ 38 mil) ao fazerem gestos de um pássaro, em alusão à águia negra de duas cabeças presente na bandeira da Albânia.

Na partida, válida pela rodada final da primeira fase do Grupo E, os suíços precisam de uma vitória para avançar às oitavas de final do Mundial sem depender do resultado jogo do Brasil contra a Sérvia. Para passar em primeiro, a seleção europeia tem de vencer e torcer por um tropeço dos brasileiros, ou, então, ganhar por uma boa diferença de gols.

 

O técnico Vladimir Petkovic disse não querer pensar no jogo da seleção brasileira. "Para mim o primeiro objetivo é preparar o meu time. Hoje tentamos falar sobre nossos adversários, porque não é um rival fácil, vão chegar com um grande orgulho, com vontade de levar um ponto. Nós vamos fazer o que podemos para ganhar e o que acontecer no outro jogo saberemos em seu momento. Não quero calcular isso. E sim focar no meu resultado", afirmou o treinador.

Petkovic não confirmou a escalação para o duelo. Ele disse apenas que não poupará ninguém e que a equipe jogará a partida, a qual ele considerou difícil pelo fato de o rival jogar sem pressão, pensando em terminar na primeira colocação da chave.

"Queremos vencer a Costa Rica e possivelmente terminar em primeiro do grupo. Não sei ainda qual será a escalação, mas terá todos os jogadores em que confio e podem ajudar a trazer os três pontos", comentou. "É um adversário que não quer ir para casa sem somar pontos. Entrarão sem pressão e farão tudo para conquistar seus primeiros pontos", completou o treinador.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.