Matthew Childs/Reuters
Matthew Childs/Reuters

Técnico da Suíça pede 'futebol atrativo' para derrotar a Suécia

Vladimir Petkovic reconheceu que a seleção suíça não jogou bem no empate por 2 a 2 contra a Costa Rica, nesta quarta

Estadão Conteúdo

27 Junho 2018 | 19h40

O técnico Vladimir Petkovic reconheceu que a Suíça não jogou bem no empate por 2 a 2 contra a Costa Rica, nesta quarta-feira, em Nijni Novgorod, e projetou a melhora da equipe no próximo confronto contra a Suécia, pelas oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia.

+ Suíça só empata com a Costa Rica, avança como vice-líder e vai encarar a Suécia

+ TEMPO REAL - Suíça 2 x 2 Costa Rica

+ Suécia faz 3 a 0 e avança como líder, mas México também vai às oitavas da Copa

Vladimir Petkovic espera de seus jogadores um futebol mais vistoso, capaz de atrair e encantar os torcedores russos, que ficaram ao lado dos costarriquenhos no duelo desta quarta-feira. Os suíços medem forças contra os suecos na próxima terça, às 11 horas (de Brasília), na Arena Zenit, em São Petersburgo.

"Primeiramente temos que render mais, como nos dois primeiros jogos. E temos ambições", disse. "Tínhamos alguns milhares de torcedores do nosso lado e outros 40 mil russos apoiando a Costa Rica. Ainda assim, tentaremos fazer com que os torcedores russos se emocionem com a nossa maneira de jogar contra a Suécia. Queremos jogar um futebol atrativo e espero que isso nos ajude a seguir no torneio. Estou convencido de que contra a Suécia vamos demonstrar isso", completou o técnico.

O treinador não poderá contar com o lateral-direito Lichtsteiner e o zagueiro Schär para a partida decisiva. Ambos receberam o segundo cartão amarelo nesta quarta-feira e só podem voltar a jogar em uma eventual quartas de final. Vladimir Petkovic lamentou as ausências, mas disse que confia na força do seu elenco.

 

"As oitavas de final eram o nosso objetivo mínimo proposto. Antes do jogo não sabíamos se poderíamos nos classificar, então tive que colocar os melhores em campo", explicou o técnico. "Dois foram suspensos por faltas desnecessárias. Mas temos 23 jogadores e eu acredito em todos eles. Estou convencido que todos os jogadores vão dar 120% e acho que o time pode lidar com essas ausências. É uma pena para eles, mas é muito tarde para lamentar agora", continuou.

O meia Valon Behrami também admitiu a insatisfação com a performance do time, falou que deve haver melhora no mata-mata contra os suecos, que ele considera fortes fisicamente. "Não estamos totalmente satisfeitos com o desempenho do time. Não pudemos controlar o jogo. Será difícil nas oitavas. A Suécia é um time muito forte fisicamente", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.