Técnico de Portugal é investigado por ofensa a agente antidoping

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vai concluir em meados de agosto uma investigação a respeito de supostas ofensas do técnico da seleção, Carlos Queiroz, dirigidas a agentes antidoping antes da Copa do Mundo.

SHRIKESH LAXMIDAS, REUTERS

30 de julho de 2010 | 18h16

A FPF iniciou um inquérito este mês após uma denúncia de que Queiroz teria ofendido médicos responsáveis pelo antidoping durante uma visita surpresa no local de treinamento da seleção para o Mundial da África do Sul, em maio.

"O comitê disciplinar quer ouvir o treinador da seleção sobre a questão, o que não foi possível até agora uma vez que ele está no exterior", disse a FPF em comunicado, após um encontro da diretoria.

"A intenção é concluir o processo até meados de agosto. Devido à urgência da questão, o comitê já se reuniu com cinco testemunhas", acrescentou a nota.

De acordo com reportagens da imprensa local, o incidente pode custar o emprego de Queiroz, após a frustrante derrota de Portugal nas oitavas de final da Copa do Mundo para a Espanha.

Queiroz, ex-técnico do Real Madrid, tem mais dois anos de contrato com a seleção.

Em entrevista concedida à emissora de tevê RTP nesta sexta, Queiroz disse que o inquérito estava sendo tratado de forma errada, acrescentando que ele é "vítima de um linchamento público... num assunto que nem mesmo fui ouvido".

O treinador não referiu-se diretamente à possibilidade de ser demitido, mas disse que pode recorrer à Fifa se houver irregularidades na investigação.

Queiroz acrescentou que acredita ainda ter o apoio do presidente da FPF, Gilberto Madail, porque agiu pelo interesse da seleção.

Tudo o que sabemos sobre:
FUTPORTUGALQUEIROZ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.