Jonathan Nackstrand/AFP
Jonathan Nackstrand/AFP

Técnico de Portugal vê derrota 'injusta' e quer continuidade de CR7

Para Fernando Santos, sua seleção merecia melhor sorte no jogo em que foi eliminado pelo Uruguai

Marcio Dolzan, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2018 | 19h54

O técnico português Fernando Santos não escondeu o abatimento após sua seleção perder por 2 a 1 em Sochi para o Uruguai e dar adeus à Copa do Mundo. Na avaliação do treinador, o resultado foi injusto por tudo o que foi apresentado em campo. No jogo deste sábado, a seleção de Portugal passou a maior parte do tempo no campo de ataque, mas criou poucas chances de gol.

+ Cristiano Ronaldo deixa em aberto o seu futuro na seleção portuguesa após derrota

+ Cavani decide, Uruguai bate Portugal e vai às quartas da Copa do Mundo

"Não foi nada justo. Fizemos para ter melhor sorte, mas tem dias que as coisas não acontecem", lamentou Santos. "Criamos chances, mas não fizemos os gols. Na primeira etapa faltou um pouco de presença na área, mas resolvemos isso no segundo tempo e fizemos o gol, que era o mais difícil."

Para Fernando Santos, o fato de o Uruguai ter conseguido voltar à frente no marcador poucos minutos após o gol de empate acabou atrapalhando a reação portuguesa. "Falei aos meus jogadores que estaríamos de volta ao jogo se fizéssemos mais um gol, mas logo no lance seguinte eles fizeram. Os jogadores tentaram, fizeram tudo o que podiam. Estamos muito tristes, mas isso é o futebol", resignou-se o técnico.

 

O treinador também disse que conta com Cristiano Ronaldo após a Copa. O atacante do Real Madrid deu entrevista após o jogo e não quis confirmar se continuará defendendo a seleção portuguesa. O jogador está com 33 anos.

"Ele tem muito para dar ao futebol", afirmou Santos. "Há uma nova competição em setembro, uma nova prova e, obviamente, queremos que esteja conosco. A equipe tem muitos jovens e é importante ter o capitão presente. Ele sempre disse 'sim' nestas horas."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.