Andrew Murray/AFP
Andrew Murray/AFP

Técnico de time australiano indica que Bolt será avaliado até janeiro

Ex-velocista jamaicano deverá fazer nova partida pelo Central Coast Mariners no próximo dia 12 de outubro

Estadão Conteúdo

27 de setembro de 2018 | 10h30

Usain Bolt terá mais alguns meses para mostrar o seu potencial para ser jogador de futebol na Austrália. Nesta quinta-feira, o técnico do Central Coast Mariners, Mike Mulvey, disse que deverá esperar até janeiro antes de avaliar o progresso do dono de oito medalhas de ouro olímpicas no atletismo. Enquanto isso, o astro jamaicano deverá disputar a sua próxima partida da pré-temporada em meados de outubro.

Bolt, que espera assinar um contrato com o time australiano, provavelmente vai jogar em 12 de outubro contra o Sydney Macarthur South West United. O Marines vai estrear no Campeonato Australiano no dia 21, em Brisbane, contra o Roar.

"Se eu começar (jogando), será uma grande coisa para mim", disse Bolt. "Mostra que o trabalho que venho realizando desde que estou aqui está realmente dando resultados, que o treinador tem confiança em mim e vê a melhorias e o trabalho que tenho feito."

Em 31 de agosto, Bolt disputou a sua primeira partida pelo Mariners, tendo jogado por 20 minutos durante amistoso contra um combinado de Central Coast. Ele também participou de todo o segundo tempo de um duelo diante do North Shore Mariners em 19 de setembro, quando revezou seu posicionamento entre a ponta esquerda e o comando do ataque.

Mulvey afirmou nesta quinta-feira que Bolt está progredindo. "No momento inicial, quando se falava que ele precisava de tempo, eu disse na época que nós lhe daríamos 12 meses, se necessário. Mas acho que, em uma suposição razoável, estaria por volta da época do Natal, do ano novo, quando deveremos estar realmente julgando se ele realmente melhorou ou não melhorou. Ele está lentamente chegando lá", afirmou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.