Técnico de time inglês por 24 anos é afastado em meio a escândalo de pedofilia

Dario Gradi trabalhava nas categorias de base do Crewe Alexandra

Estadão Conteúdo

12 de dezembro de 2016 | 16h07

A federação inglesa de futebol, conhecida pela sigla FA, confirmou nesta segunda-feira que suspendeu o ex-técnico Dario Gradi, que fez história na Inglaterra ao comandar o Crewe Alexandra por 24 anos consecutivos e que atualmente trabalhava nas categorias de base do clube.

Os motivos exatos do afastamento, que vale desde 25 de novembro e que só foi revelado agora, ainda não foram esclarecidos. Sabe-se, entretanto, que é mais um desdobramento do escândalo de pedofilia que atingiu o futebol inglês nas últimas semanas.

Recai sobre ele a denúncia de que, em 1974, ele teria visitado a casa dos pais de um jogador das categorias de base do Chelsea, onde ele atuava como auxiliar técnico, para supostamente abafar um alegado abuso sexual cometido repetidamente pelo técnico Eddie Heath, falecido nos anos 80. Isso indicaria que ele sabia dos crimes cometidos por Heath.

O Chelsea já admitiu que pagou 50 mil libras a um ex-jogador, Gary Johnson, para encobrir o caso. Na semana passada, se desculpou com o atleta, repetidamente abusado por Heath dos 13 aos 17 anos. Depois, outros dois ex-jogadores do clube londrino e um do Charlton Athletic também acusaram Heath.

Além disso, o Crewe Alexandra, atualmente na quarta divisão nacional, está no centro do escândalo, depois que o ex-zagueiro do clube Andy Woodward revelou que foi diversas vezes vítima de abuso sexual cometido pelo então técnico Barry Bennell. Nos dias seguintes, outros seis ex-atletas admitiram também terem sido abusados.

Em comunicado, Gradi disse que nega qualquer acusação e que ele vai fazer de tudo, com toda sua força, para ajudar as autoridades na investigação. De acordo com a polícia, 98 clubes foram diretamente impactados pelo escândalo.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolInglaterraChelseaGradi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.