TV Estadão | 21.03.2015
TV Estadão | 21.03.2015

Técnico diz que atacantes escolheram Geuvânio em pênalti

Jovem santista perdeu penalidade máxima ainda no primeiro tempo

DANIEL BATISTA, O Estado de S. Paulo

21 Março 2015 | 19h29

O Santos derrotou o Audax por 1 a 0, neste sábado, no estádio do Pacaembu, mas o placar poderia ter sido ainda maior. Além de ter perdido muitas oportunidades, principalmente no primeiro tempo, a equipe alvinegra ainda teve um pênalti a seu favor, desperdiçado pelo atacante Geuvânio. Ao final do jogo, o treinador admitiu que a decisão de escolher quem seria o cobrador da penalidade partiu de Robinho e Ricardo Oliveira.

"Desde o meu primeiro dia aqui, cheguei e falei que eu era 100% grupo. O Robinho e o Ricardo (Oliveira) acharam por bem dar moral para o Geuvânio, que fazia uma partida esplendorosa. Eles acharam por bem, foi algo que eles decidiram. Ontem (sexta-feira, durante o treino) ele bateu bem os pênaltis e acertou, mas aconteceu de errar durante a partida", explicou o treinador, que era auxiliar de Enderson Moreira e se tornou técnico efetivo após a demissão do seu antecessor.

Em relação ao jogo, Marcelo Fernandes acredita que o Santos teve boas oportunidades de ter goleado o Audax, mas as coisas mudaram no segundo tempo e, apesar do discurso, o magro placar de 1 a 0 acabou ficando de bom tamanho para ele.

"Quando partimos para o primeiro tempo, a missão foi bem executada. Tivemos oportunidades e poderíamos ter matado o jogo. Se virasse o placar com uns quatro a zero seria normal pelo primeiro tempo que fizemos, mas a bola não entrou. No intervalo, já sabíamos que não daria para fazer a mesma marcação excelente que tivemos. Mas também pecamos um pouco no meio-campo e eles apertaram. A equipe se portou bem e depois igualou o jogo, então acredito que o placar tenha sido justo", analisou.

A vitória sobre o Audax, embora pelo placar mínimo, pelo menos serviu para o Santos assegurar, com quatro rodadas de antecedência, a liderança do Grupo D do Campeonato Paulista e se manteve na liderança geral da competição. Vale lembrar que a equipe que terminar a primeira fase na liderança geral terá vantagem de jogar as quartas e as semifinais em casa e na decisão, que será disputada em duas partidas, o segundo jogo também será em seus domínios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.