EFE/ ALI HAIDER
EFE/ ALI HAIDER

Técnico do Al Ahly questiona critério que coloca Palmeiras na semifinal do Mundial

Vantagem dada a sul-americanos e europeus tem origem no Intercontinental, torneio disputado até 2004 e que reunia os campeões do dois continentes

Redação, Estadão Conteúdo

05 de fevereiro de 2022 | 21h19

O treinador Pitso Mosimane, que classificou o Al Ahly para a semifinal do Mundial de Clubes da Fifa neste sábado, questionou o critério do torneio que permite ao representante sul-americano avançar direto para a semifinal, enquanto o campeão africano precisa jogar as quartas de final. Em entrevista à Band, o técnico do clube egípcio discordou do critério utilizado.

"Quantas vezes os africanos têm de provar? Qual o critério? Por que o Palmeiras joga a semifinal? Ano passado nós vencemos. Qual a diferença? Não é o momento dos africanos jogarem a semifinal?", disse Pitso Mosimane.

Equipes africanas estiveram na semifinal do torneio em sete oportunidades, sendo que o Al Ahly foi responsável por quatro delas. Atual bicampeão da Liga dos Campeões da África, sob o comando de Pitso, o clube do Egito soma 10 conquistas do torneio e é o maior campeão do continente. O clube também é o maior campeão do Egito, com 42 títulos.

A vantagem dada a sul-americanos e europeus tem origem no Intercontinental - disputado até 2004 e que reunia os campeões do dois continentes. Para obter o apoio da Uefa e da Conmebol para a criação do Mundial de Clubes no formato atual, a Fifa concedeu essa preferência aos clubes campeões da Copa Libertadores e Liga dos Campeões da Uefa. Além disso, até aqui, apenas equipes dos dois continentes conquistaram o troféu do Mundial de Clubes.

Pitso Mosimane já estava à frente da equipe quando o Al Ahly eliminou o Palmeiras nos pênaltis em 2021 na disputa do terceiro lugar. O treinador afirmou que o clube africano não tem o que perder na partida e, apesar de valorizar o elenco da equipe brasileira, aumentou as apostas em relação ao seu time dizendo que a vaga na final só será decidida em campo.

"Não temos nada a perder e muito o que ganhar. Eles têm jogadores excelentes, alguns vêm do futebol europeu. Mas futebol é futebol, e ele fala no campo. O que importa é o compromisso com o jogo", afirmou o técnico sul-africano.

O Al Ahly entrou em campo contra o Monterrey sem poder contar com seis jogadores titulares, que disputarão a final da Copa Africana de Nações pelo Egito. Mesmo com o favoritismo ao lado dos mexicanos, o Al Ahly aproveitou muito bem os contra-ataques para criar diversas jogadas de perigo e conseguiu vencer por 1 a 0.

O esquema de três zagueiros utilizado por Pitso é semelhante ao que Abel Ferreira costuma usar em algumas partidas e poderá ser adotado inclusive na semifinal, já que o lateral Piquerez, que joga como ala, está à disposição após testar negativo para covid-19.

O treinador do Al Ahly ainda afirmou que espera um duelo tático contra a equipe brasileira. "Temos que ser sinceros. Vencemos nos pênaltis. O treinador do Palmeiras é muito técnico, muito tático. Hoje vencemos porque jogamos muito bem do ponto de vista tático, de como defender, como pressionar. Esse jogo será muito tático", finalizou.

O reencontro entre Palmeiras e Al Ahly acontece na próxima terça-feira, às 13h30. A outra semifinal será decidida entre Chelsea e o vencedor do confronto entre Al Jazira e Al Hilal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.