Ali Haider/Efe
Ali Haider/Efe

Tecnico do Al Ain se diz orgulhoso: 'Ninguém esperava a gente na final'

Campeão dos Emirados Árabes Unidos fica com o vice no Mundial de Clubes da Fifa

Redação, Estadao Conteudo

22 Dezembro 2018 | 20h38

"Temos que estar orgulhosos. Ninguém esperava a gente na final". Com essas frases, o técnico croata Zoran Mamic descreveu neste sábado o sentimento de todos do Al Ain, campeão dos Emirados Árabes Unidos, que ficou com o vice no Mundial de Clubes da Fifa, disputado em seu país, ao ser goleado por 4 a 1 pelo Real Madrid, em Abu Dabi.

"O Real Madrid mereceu esse título. Jogou um grande futebol, de muito qualidade. Temos que ficar contentes e orgulhosos, apesar de que em alguns dias teremos que voltar à nossa realidade e se preparar para as competições locais", afirmou Mamic na entrevista coletiva no Zayed Sports City Stadium.

Para o treinador, um dos motivos para a derrota deste sábado foi o cansaço de seus jogadores, que disputaram quatro partidas em apenas 10 dias. Foram vitórias sobre os campeões da Oceania (Team Wellington), da África (Espérance) e da Copa Libertadores (Conmebol), o River Plate, nas semifinais, além do revés para o Real Madrid.

"O Al Ain teve uma grande participação (no Mundial). Mas foi difícil para nós com quatro jogos em 10 dias. Não tivemos a potência suficiente para dificultar as coisas para o Real Madrid", ressaltou o treinador croata. "É difícil saber o que aconteceria se estivéssemos mais descansados. Mas assim são as regras".

Sobre o atacante brasileiro Caio, maior destaque do time e escolhido o segundo melhor do Mundial - só atrás do galês Gareth Bale, do Real Madrid -, Mamic revelou que será difícil segurá-lo no time. "Seu contrato termina neste mês. O contratamos de graça e espero que o Al Ain consiga mantê-lo. Seria uma pena perdê-lo", disse. Nos últimos dias, os rumores indicam que o jogador pode se transferir para um dos dois maiores clubes de Portugal: Benfica ou Porto.

 

 
Notícias relacionadas
Mais conteúdo sobre:
futebolMundial de Clubes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.