Técnico do Arsenal nega crise e minimiza saída de Nasri

Depois de perder Fabregas, o Arsenal anunciou nesta terça a venda de Samir Nasri para o Manchester City, negociação que enfraqueceu ainda mais o elenco do time londrino neste início de temporada. O técnico Arsène Wenger, contudo, minimizou a perda do atleta francês e negou que o clube esteja em crise.

AE, Agência Estado

23 de agosto de 2011 | 11h52

"Não estou desestabilizado por isso", afirmou o treinador, que assumiu a responsabilidade em levar o time em busca das vitórias, apesar das últimas perdas no elenco. "Acredito que isso faça parte do meu trabalho".

Wenger admitiu estar preocupado com a falta de jogadores de renome no time, mas avisou que isso não será desculpa para resultados ruins na temporada. "Sempre há uma preocupação sobre os efeitos destas perdas no time, mas isso não pode se tornar uma desculpa".

Para o técnico, as perdas poderão ter uma "consequência positiva" para o grupo. "Se você está com uma boa força mental, você pode aumentar o clima de solidariedade dentro do grupo para que os jogadores possam se dedicar mais em campo. É isso que esperamos de atletas com bom controle mental", afirmou.

Sem Fabregas e Nasri, Wenger terá mais um teste nesta quarta-feira, no jogo da volta contra a Udinese, pela fase preliminar da Liga dos Campeões. Os ingleses venceram a partida de ida, por 1 a 0, em Londres.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolArsenalArsène WengerNasri

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.