Alberto Estévez/EFE
Alberto Estévez/EFE

Técnico do Barcelona diz torcer por vitória do Real Madrid contra o Atlético

Segundo Ronald Koeman, triunfo dos merengues é útil para evitar que time de Diego Simeone dispare na liderança

Redação, Estadão Conteúdo

12 de dezembro de 2020 | 12h34

Com o Barcelona fora da disputa pela liderança do Campeonato Espanhol por enquanto e amargando seu pior início no torneio nos últimos anos, o time catalão vai observar de longe o dérbi de Madri entre Real e Atlético, neste sábado. Na opinião do técnico Ronald Koeman, uma vitória da equipe merengue, arquirrival dos catalães, é o melhor resultado no momento para evitar que o Atlético dispare na ponta.

"Vendo a classificação, se o Atlético está em primeiro, é melhor que perca para encurtar a distância, mas temos que nos concentrar no nosso compromisso", opinou. "Podemos opinar sobre outros jogos, mas a primeira coisa a fazer é ganhar o nosso, ponderou o treinador sobre o duelo de sua equipe diante do Levante, no Camp Nou, domingo.

O Atlético de Madrid lidera o Campeonato Espanhol com 26 pontos conquistados em 10 partidas, seis a mais que o Real, que aparece na quarta colocação, com 20 pontos em 11 jogos, e 12 à frente do Barcelona, que amarga a nona colocação, também com 10 duelos disputados. Os rivais de Madri se enfrentam neste sábado, às 17h (de Brasília), no Alfredo Di Stéfano.

O Barça faz o pior começo na competição nas últimas temporadas e ficou ainda mais distante das primeiras colocações ao ser derrotado por 3 a 1 pelo Cádiz na rodada anterior. O ambiente no Camp Nou é conturbado e a pressão aumentou ainda mais depois do revés por 3 a 0 para a Juventus, pela Liga dos Campeões, no reencontro entre Messi e Cristiano Ronaldo na última terça. Koeman não esconde o incômodo pelo momento adverso e assumiu a sua parcela de culpa.

"Estou bem porque estou confortável, mas não estou feliz com nossa trajetória no campeonato. Mas não é necessário apoiar a mim. Em um grande time, quando os resultados não saem, o principal responsável é o treinador", salientou o técnico holandês, que assegurou que tem o apoio dos jogadores para se manter no cargo e conduzir a equipe à recuperação no Espanhol.

"Se eu não tivesse confiança da parte deles, não poderia trabalhar. Claro que estou preocupado e estamos tentando melhorar as coisas, mas entendo que depois dos últimos resultados temos que dar a cara", afirmou. "Temos que melhorar alguns detalhes que nos farão vencer os jogos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.