Kai Pfaffenbach/Reuters
Kai Pfaffenbach/Reuters

Técnico do Bayern de Munique revela ameaças de morte após eliminação na Liga dos Campeões

Além do comandante, a família de Hasan Salihamidžić, diretor esportivo da equipe bávara, é alvo de agressões nas redes sociais

Redação, Estadão Conteúdo

15 de abril de 2022 | 13h53

Em coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira, o treinador do Bayern de Munique, Julian Nagelsmann, afirmou que sofreu 450 ameaças de morte após ver sua equipe ser eliminada nas quartas de final da Liga dos Campeões para o Villarreal, na última quarta-feira, em jogo de volta realizado na Alemanha.

Após perder o jogo de ida, na Espanha, por 1 a 0, a equipe bávara precisava reverter o placar adverso em casa. Porém, no jogo derradeiro, o Bayern saiu na frente, mas no fim dos 90 minutos viu Chukwueze marcar e garantir a classificação da equipe visitante, que festejou muito a vaga entre os quatro melhores da competição.

"Sei que sempre receberia críticas de todos os lados. É normal e posso encarar isso. Mas 450 ameaças de morte no Instagram é mais difícil. Se as pessoas querem me matar é uma coisa, mas se atacam a minha mãe, que não se interessa por futebol, não posso compreender. Tão logo desligam a televisão, as pessoas esquecem toda a decência e pensam que têm razão, isso é o pior", disse o treinador.

Ainda na entrevista, Nagelsmann foi questionado se denunciaria os agressores por causa das ameaças. Porém, devido ao grande fluxo de mensagens recebidas, o treinador afirmou que não conseguiria registrar todas as denúncias. "Não teria fim. Recebo ameaças depois de todos os jogos, não importa o vencedor", disse.

Na esteira do caso vivido por Nagelsmann, a mulher e o filho do diretor esportivo Hasan Salihamidžić​ também foram ameaçados via redes sociais. Eles, por outro lado, conseguiram realizar as denúncias apresentando às autoridades capturas de tela com mensagens recebidas no Instagram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.