Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Técnico do Chile admite dificuldades para parar Neymar: 'Não há receita exata'

Equipes se enfrentam pelas quartas de final da Copa América nesta sexta-feira

Redação, Estadão Conteúdo

01 de julho de 2021 | 21h00

O técnico da seleção do Chile, o uruguaio Martin Lasarte, revelou nesta quinta-feira, em entrevista coletiva, que espera um jogo difícil contra o Brasil, nesta sexta, no estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro, pelas quartas de final da Copa América, e admitiu que será difícil marcar o atacante Neymar.

"Se eu tivesse a receita exata (para marcar Neymar), seria muito fácil, mas não há receita exata. É relativo. Sou um daqueles que entende de futebol em nível de grupo. Vai depender do desempenho de nossa equipe como um conjunto se conseguirmos deter Neymar", declarou Lasarte, que com o Chile obteve a quarta colocação do Grupo A.

"Imagino uma partida em que haverá momentos em que precisaremos pressionar alto e outros em que a qualidade e o talento do futebol brasileiro nos farão recuar. É um jogo de nuances, de momentos, e é importante que escolhamos bem esses momentos para fazer valer nossa eficácia", analisou o treinador. "Vamos tentar jogar o jogo para passar para a próxima rodada".

Lasarte terá nesta sexta-feira o reforço do atacante Alexis Sánchez, da Internazionale, que se recuperou de lesão na coxa e se juntou ao elenco em Santiago nos últimos dias. "Alexis está muito próximo da recuperação total ou quase total e cada minuto conta a seu favor. Se ele estiver em boas condições, élógico que será aproveitado", disse.

A volta de Sánchez reforça um ataque que precisa aumentar a sua produtividade. O Chile marcou apenas três gols em quatro jogos na fase de grupos, apesar de Eduardo Vargas estar passando por um bom momento. O jogador do Atlético-MG já está entre os maiores artilheiros do torneio em todos os tempos, com 14 gols, atrás apenas do argentino Norberto Mendez e do brasileiro Zizinho, que têm 17 cada.

"Temos alternativas e estou confiante no plantel que temos. No futebol nada é um negócio fechado até que realmente aconteça. Favoritismo e estatísticas são agradáveis de ler, mas você tem que jogar. Quando o árbitro apitar, veremos o que somos capazes de fazer e do que nossos oponentes são capazes", encerrou Lasrte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.