Juan Barreto/AFP
Juan Barreto/AFP

Técnico do Japão contém euforia após vitória histórica: 'Apenas três pontos'

Akira Nishino segura ânimos do grupo após vencer a Colômbia por 2 a 1 na estreia na Copa do Mundo da Rússia

Estadão Conteúdo

19 Junho 2018 | 12h54

O Japão venceu a Colômbia por 2 a 1 nesta terça-feira, em Saransk, e fez história ao se tornar a primeira seleção asiática a derrotar um sul-americano em uma Copa do Mundo. O resultado histórico, no entanto, não é motivo de empolgação para o técnico Akira Nishino.

+ TEMPO REAL: Colômbia 1 x 2 Japão

+ Pékerman reconhece que Colômbia só teve fôlego para segurar Japão no 1º tempo

"Esta é apenas uma vitória e três pontos, então vamos economizar na nossa comemoração", disse o treinador após o jogo, na intenção de conter a euforia que pode atrapalhar os japoneses na sequência da competição.

Nishino tem uma história curiosa. Com a demissão do bósnio Vahid Halilhodzic, ele deixou o cargo de diretor da Associação de Futebol do Japão (JFA, na sigla em inglês)para assumir a seleção de seu país a pouco mais de dois meses do início do Mundial da Rússia.

Por enquanto, a escolha por um técnico experiente como Nishino, de 63 anos, vem dando resultado. O Japão teve mais facilidade em vencer o duelo com os colombianos depois ficar com um a mais na partida ainda aos três minutos, quando Sánchez foi expulso ao colocar a mão na bola dentro da área e conceder o pênalti. A expulsão, porém, não tira o mérito do treinador e dos jogadores, que mostraram obediência tática e eficiência no ataque.

 

"Disse no intervalo que, se conseguirmos manter a bola em movimento, poderíamos cansar os jogadores colombianos. Nossos jogadores foram agressivos desde o início e acho que funcionou muito bem para nós", explicou o técnico, que já treinou o time sub-23 do Japão na Olimpíada de Atlanta, em 1996, quando os asiáticos venceram o Brasil de Rivaldo e Ronaldo na estreia do torneio.

Com o triunfo na estreia, os japoneses largam em vantagem no Grupo H. Além disso, ganham confiança para enfrentar o Senegal, próximo adversário no domingo, em Ecaterimburgo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.