Matilde Campodonico/AP
Matilde Campodonico/AP

Técnico do Palmeiras esbraveja em entrevista e exalta segundo tempo

Eduardo Baptista pede respeito à imprensa após vitória por 3 a 2 sobre o Peñarol, pela Libertadores

O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2017 | 07h00

O técnico do Palmeiras, Eduardo Baptista, pouco falou da atuação do time na entrevista coletiva depois da vitória por 3 a 2 de virada sobre o Peñarol, em Montevidéu, pela Copa Libertadores, nesta quarta-feira. Irritado durante a sua fala, o treinador criticou informações publicadas na imprensa e cobrou respeito ao trabalho no comando do clube.

Sem citar veículos ou o nome de jornalistas, ele reclamou de que foi publicado uma informação que Róger Guedes ficou fora do primeiro jogo com o Peñarol por ter discutido com o técnico. "Eu escutei de uma pessoa importante, um cara de que sou fã, que o Róger Guedes jogou contra a Ponte porque o Mattos (diretor de futebol) escalou, que eu era um treinador maleável. Eu sou um cara sério, batalhei para estar aqui e exijo respeito. Essa pessoa não falou a fonte", disse, em tom alterado. 

"Sou um cara sério. É do futebol errar e acertar. Mas vocês conhecem minha família. Tento respeitar e passar o máximo de informação. Falar que sou maleável, aí ofendeu. Não pode ser fofoca. O futebol está acima", completou o treinador, que também dedicou parte da entrevista para criticar a organização da partida. Após o apito final os jogadores se envolveram em uma briga generalizada.

O Palmeiras começou a partida com três zagueiros e após levar dois gols, fez substituições no intervalo e conseguiu virar a partida no segundo tempo, com dois gols de Willian e um de Mina. O técnico explicou que a escolha para iniciar o jogo no Uruguai com esse esquema tático foi porque a formação deu certo contra a Ponte Preta, no sábado, pelo Campeonato Paulista.

"Não deu certo, não conseguimos jogar. Não tivemos a transição que tivemos contra a Ponte Preta. Na segunda etapa abrimos o Willian pelos lados, abrimos espaços e confundimos o time deles", afirmou. A equipe só volta a jogar na próxima quarta-feira, quando enfrenta em Cochabamba, na Bolívia, o Jorge Wilstermann, também pela Copa Libertadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.