Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Técnico do Palmeiras vê queda como lição: 'Não basta só ter nome'

Eduardo Baptista afirma que time aprendeu com revés para a Ponte Preta e lamenta jogo ruim em Campinas

Ciro Campos e Robson Morelli, O Estado de S. Paulo

22 de abril de 2017 | 23h29

O técnico do Palmeiras, Eduardo Baptista, lamentou depois do jogo do Palmeiras a eliminação sofrida diante da Ponte Preta, neste sábado, e creditou a queda na semifinal do Campeonato Paulista ao jogo ruim em Campinas. Na opinião dele, os 3 a 0 no confronto de ida pesaram mais para o resultado negativo do que o 1 a 0 conquistado no Allianz Parque.

"O Palmeiras fez até o momento a melhor campanha e foi eliminado por 20 minutos em Campinas. Fica a lição que não é só o nome de jogador, não basta ser Palmeiras, ter o jogadores que tem", disse. Baptista explicou que no confronto de ida, no estádio Moisés Lucarelli, faltou a toda à equipe deixar de lado a postura passiva e ter a entrega que foi demonstrada na vitória no sábado.

Para Baptista, a falha em Campinas, quando a equipe levou os três gols no primeiro tempo, se explica pelo cansaço, pois quatro dias antes o Palmeiras havia sofrido para ganhar do Peñarol por 3 a 2, pela Copa Libertadores, com gol nos acréscimos. "Às vezes para aprender tem que doer na carne, e doeu. O Dudu chorou, eu estou triste, a diretoria também está. Mas temos que tirar lições e levantar", afirmou.

A equipe se reapresenta na Academia de Futebol no domingo pela manhã, quando inicia a preparação para enfrentar o Peñarol, na quarta-feira, em Montevidéu. Apesar da eliminação no Paulista, o treinador explicou que o time não jogará desanimado. "Os primeiros minutos no jogo de ida, em Campinas, é que nos fizeram pagar caro. Eu vejo um time saindo mais forte agora do que entrou. Temos outras competições no ano. Essa experiência deu maturidade à equipe", explicou.

O treinado comentou que a torcida reconheceu o esforço do time e viu o quanto o Palmeiras pode evoluir na temporada em outras competições. "O empenho dos jogadores, tanto fisicamente como taticamente, foi de levantar aplausos da torcida. E no fim da partida, teve essa manifestação. Cativamos esse respeito", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.