Dimitar Dilkoff/AFP
Dimitar Dilkoff/AFP

Técnico do Panamá exalta ex-gremista por gol e diz: 'Me senti muito comovido'

Hernan Dario Gomez comemora gol marcado pelo zagueiro Felipe Baloy, de 37 anos

Estadão Conteúdo

24 Junho 2018 | 14h50

Um dos principais nomes da seleção panamenha há mais de 15 anos, o zagueiro Felipe Baloy marcou de vez seu nome na história do futebol nacional neste domingo. Na goleada sofrida diante da Inglaterra, por 6 a 1, em Nijni Novgorod, o jogador entrou no segundo tempo e foi o responsável pelo primeiro gol do país na história da Copa do Mundo.

+ Inglaterra goleia o Panamá e Kane assume a artilharia

+ TEMPO REAL: Inglaterra 6 x 1 Panamá

Apesar de o placar já apontar 6 a 0 no momento do gol e de o Panamá não ter mais chances de classificação, Baloy comemorou bastante o feito e chegou a chorar em campo. Ele também foi bastante celebrado pelo técnico da seleção, Hernán Darío Gómez, até porque vai deixar de vestir as cores do país após o Mundial.

"Felipe Baloy anotou esse gol e me senti muito comovido. É um jogador que vai se aposentar da seleção nacional e Deus lhe deu uma oportunidade de marcar este gol pela forma que se comporta no futebol. É um grande profissional. Quando se é estreante, desfruta ainda mais e o primeiro (gol) é ainda mais lindo", declarou após a partida.

Baloy é um velho conhecido do torcedor brasileiro e atuou no País entre 2003 e 2005, com as camisas de Grêmio e Atlético-PR. Ele utilizou as redes sociais para celebrar o feito. "Graças a Deus, à minha família e ao Panamá. É um gol histórico para o meu país. Os sonhos se cumprem com base no trabalho e esforço", escreveu em sua página no Instagram.

 

Apesar da festa por Baloy, o resultado não foi o esperado pelo Panamá, mas poderia ter sido ainda pior. Afinal, a Inglaterra abriu 5 a 0 de vantagem ainda no primeiro tempo. Hernán Dario Gómez explicou o que disse a seus jogadores para motivá-los no intervalo.

"Eu disse: 'Estou me sentindo um pouco assustado. Não podemos tentar igualar. Não podemos reduzir a distância. Tudo que podemos fazer é tentar brecar a Inglaterra, para que eles não marcassem mais gols'", disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.