Juan Mabromata/AFP
Juan Mabromata/AFP

Técnico do Paraguai diz ter orgulho do time por segurar empate com o Brasil

Eduardo Berizzo destaca bravura da equipe e aposta que geração será vitoriosa no futuro

Ciro Campos, enviado especial a Porto Alegre, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2019 | 04h30

O Paraguai se despediu da Copa América em Porto Alegre, nesta quinta-feira, sem vencer um jogo sequer, mas com um sentimento positivo. O técnico da equipe, o argentino Eduardo Berizzo, disse depois da eliminação nos pênaltis diante do Brasil, na Arena do Grêmio, se sentir orgulhoso pelo desempenho dos jogadores e principalmente pela capacidade de segurar o empate no tempo normal com os anfitriões do torneio.

O jogo acabou empatado sem gols e nos pênaltis, o Brasil venceu por 4 a 3 para avançar à semifinal. "Fizemos um jogo de destaque. Tenho de felicitar meus jogadores, tenho orgulho deles. A postura do nosso time foi incrível", comentou. Berizzo exaltou que mesmo com um jogador expulso, Fabián Balbuena, o Paraguai conseguiu se desdobrar na marcação e conter os ataques do Brasil.

Há apenas quatro meses no cargo, Berizzo disse ter presenciado contra o Brasil uma das melhores atuações recentes da equipe. "Sempre estamos dando passo seguros. Não jogamos os 90 minutos da partida de forma brilhante, mas nossa atuação foi muito sólida. Temos de jogar sempre dessa maneira. Se conseguirmos repetir o que fizemos contra o Brasil, vamos ter bons resultados", comentou.

O Paraguai deixa a competição após três empates e uma derrota. Berizzo só ganhou uma partida no cargo, um amistoso contra a Guatemala, e garantiu se despedir da Copa América com uma boa impressão e bastante otimista pela atuação competitiva da equipe diante do Brasil. "Tivemos o espírito de acreditar. Na vida e no futebol, a convicção no que se faz é fundamental. Nossa geração quer escrever a própria história e será cheia de felicidades", explicou.

O zagueiro Bruno Valdez, um dos responsáveis por bater um dos pênaltis, concorda com o treinador. "Sentimos tristeza pelo trabalho que nós fizemos. Mas todo mundo também se sente orgulhoso pelo esforço, atitude e garra. Jogamos muito bem na parte defensiva", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.