Cris Bouroncle/AFP
Cris Bouroncle/AFP

Técnico do Peru, Gareca diz que punição de Guerrero é 'totalmente injusta'

Atacante do Flamengo não vai poder disputar a Copa do Mundo pela seleção sul-americana

Estadão Conteúdo

16 Maio 2018 | 16h58

Horas depois de revelar a lista de 24 nomes pré-convocados para representar a seleção peruana na Copa do Mundo da Rússia, o técnico Ricardo Gareca concedeu entrevista coletiva nesta quarta-feira. Como era de se esperar, boa parte das perguntas foram sobre Paolo Guerrero, ausente na relação por causa da suspensão imposta a ele pelo uso de doping.

+ Análise: 'Peru vive tristeza com Guerrero, mas confia na seleção'

+ Sem Guerrero, Peru anuncia pré-convocação para a Copa com Trauco e Cueva

"Acreditamos que a suspensão é totalmente injusta. Pensamos que a FIFPro precisa necessariamente se manifestar sobre isso. Isto tem que ganhar uma conotação mundial a respeito dos jogadores, também pode afetar qualquer outra estrela ou qualquer outro jogador", considerou o treinador.

No início da semana, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) anunciou a suspensão de Guerrero por 14 meses, o que acabou com sua esperança de disputar a primeira Copa do Mundo da carreira. O atacante foi punido pelo uso de benzoilecgonina, flagrado em exame antidoping no ano passado, e como já cumprira seis meses de gancho, estará afastado do futebol até janeiro do ano que vem.

A punição ao peruano, no entanto, gerou bastante polêmica, uma vez que situações semelhantes de atletas de outras modalidades tiveram sanções bem mais brandas. Por isso, a Federação Internacional de Jogadores de Futebol Profissional (FIFPro, na sigla em inglês) pediu uma reunião com a Fifa para tentar reverter a situação de Guerrero.

"Todos estamos comovidos, o Guerrero é um jogador importantíssimo. Todos nós sentimos, é um conjunto. A seleção está acostumada com assuntos positivos. Há coisas que não estão bem, mas precisamos mentalizar sempre para o positivo", considerou.

Gareca criticou a posição da CAS no processo e afirmou: "É algo que o futebol mundial não deve permitir, me parece que seria muito importante que os verdadeiros protagonistas desta história sejam conhecidos, que se tente mudar determinadas coisas que não têm nada a ver com o rendimento esportivo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.