Técnico do Santos pode deixar Neymar na reserva

A grande atuação Neymar no segundo tempo do jogo em que o Santos goleou o Rio Branco (AC), na noite de quarta-feira, na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil, não foi o bastante para convencer o técnico Vágner Mancini a mantê-lo no time titular para o clássico contra o Corinthians, domingo, no Pacaembu, pelo Paulistão.

SANCHES FILHO, Agencia Estado

19 de março de 2009 | 18h57

Na véspera da partida contra o Rio Branco, Vágner Mancini já tinha adiantado que a equipe para enfrentar o Corinthians seria diferente da que começou o jogo de quarta-feira. Assim com Neymar, que daria lugar para Roni no ataque, outros jogadores que podem voltar para a reserva são os volantes Pará e Germano, embora tenham jogado bem nas duas últimas partidas - Roberto Brum e Rodrigo Souto são os titulares.

"No Santos não tem nenhum jogador com o lugar garantido. Neymar é um belo jogador, diferenciado, mas temos 25 atletas disputando vagas", desconversou o técnico, ao comentar sobre a escalação santista para o clássico de domingo. Ainda fazendo mistério, Vágner Mancini também lembrou que Roni vinha sendo o centroavante titular até o jogo de quarta-feira (Kléber Pereira estava machucado) e que só saiu do time para tratar uma inflamação no músculo da coxa esquerda.

Vágner Mancini não esconde a empolgação pelo futebol que Neymar mostrou nas vitórias por 3 a 0 sobre o Mogi Mirim e por 4 a 0 diante do Rio Branco. Mas dá a entender que o provável aproveitamento do garoto de 17 anos apenas no segundo tempo do clássico de domingo é uma estratégia. As chances dele voltar a brilhar são maiores contra um adversário desgastado fisicamente.

"Ele vem sendo ponto de desequilíbrio, mas ainda tem só 17 anos, e vai errar ainda. Mas como é um jogador que diariamente mostra alguma coisa diferente é certeza que ele vai jogar domingo. Só não sei se vai começar ou entrar no segundo tempo", explicou Vágner Mancini, ao falar sobre o momento de Neymar, recém-promovido ao elenco profissional do Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.