Carl Recine / Reuters
Carl Recine / Reuters

Técnico do Watford teme mortes caso Campeonato Inglês volte a ser disputado

Nigel Pearson acredita que ignorar os riscos da covid-19 na volta aos gramados é ser imprudente

AFP, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2020 | 22h34

O técnico do Watford, Nigel Pearson, afirmou neste sábado (16) temer uma morte no futebol caso seja retomada o Campeonato Inglês, suspenso há mais de dois meses devido à pandemia do coronavírus.

"Que Deus não queira que alguém morra!", declarou o técnico ao jornal The Times, criticando o fato "das pessoas fecharem os olhos diante da ameaça" que é a covid-19 responsável pela morte de cerca de 34.000 pessoas no Reino Unido, o segundo país com mais mortes no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

As equipes do Campeonato Inglês poderão voltar a treinar na próxima semana se o aval for dado pelas autoridades ao 'Project Restart' (Projeto Recomeço, em inglês), plano traçado pelos dirigentes do Campeonato Inglês para que as últimas 92 partidas que restam na temporada sejam disputadas, em reunião que será realizada na próxima segunda-feira (18).

Na reunião, serão debatidos os protocolos médicos a respeitar para que a contaminação no futebol seja evitada.

Pearson se mostrou cético em relação ao projeto num momento em que o país acaba de iniciar o relaxamento das medidas de confinamento. "O número de mortos no Reino Unido está entre 33.000 e 38.000 pessoas. Equivale ao público médio em nosso estádio. Isso leva a uma reflexão", declarou o técnico.

"Sim, queremos voltar, mas precisa ser de maneira segura. Temos que ser prudentes, Ignorar os riscos é imprudente. Trata-se de proteger a saúde do povo", insistiu.

Atualmente na 17ª colocação na tabela e primeira equipe fora da zona de rebaixamento, o Watford poderia ser o grande beneficiado caso a temporada fosse suspensa definitivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.