Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Técnico elogia atuação do Japão e se diz satisfeito com empate: 'Um bom ponto'

Seleção japonesa vai enfrentar a já eliminada Polônia na última rodada do Grupo H

Estadão Conteúdo

24 Junho 2018 | 17h22

O empate que a seleção do Japão buscou contra Senegal neste domingo, em Ecaterimburgo, agradou o técnico Akira Nishino. O treinador considerou o empate de bom tamanho e valorizou a performance da equipe, que esteve atrás do placar em duas ocasiões.

+ Mané lamenta empate de Senegal contra o Japão: 'Estamos muito desapontados'

+ Cissé reconhece superioridade do Japão, mas se diz irritado com empate de Senegal

"Fizemos um bom jogo. Os atletas estavam muito confiantes e movimentaram bem a bola, criando chances. Construímos bons ataques e, por isso, empatamos. Eu considero que foi um bom ponto", disse. "Foi uma partida difícil, sabíamos que seria assim. Ficamos atrás do placar duas vezes", continuou Akira Nishino.

Senegal esteve à frente do placar tanto no primeiro quanto no segundo tempo. Mas os japoneses mantiveram a paciência e a organização para buscar a igualdade, que veio com gols de Inui e Honda. Este saiu do banco de reservas para balançar a rede no final da partida e se tornar o primeiro japonês a marcar em três Mundiais.

Akira Nishino acredita que a maneira calma como os japoneses atuaram, sem se desesperar por estar em desvantagem no placar, pode influenciar positivamente a equipe no próximo duelo contra a Polônia, nesta quinta-feira, às 11 horas (de Brasília), em Volgogrado. O Japão, que lidera o Grupo H no momento por ter um cartão amarelo a menos que Senegal, precisa apenas de um novo empate para se garantir nas oitavas de final.

 

"Queríamos ser agressivos na segunda partida, empatamos, mas é claro que queríamos os três pontos e assegurar a vaga para as oitavas de final. Senegal é um time muito difícil de enfrentar. Não foi possível, mas eu acho que este resultado vai ter um impacto positivo no terceiro jogo", considerou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.