Marko Djurica/Reuters
Marko Djurica/Reuters

Técnico enaltece peso histórico que avanço às oitavas da Copa teria para Islândia

Pela primeira vez disputando um Mundial, equipe pode avançar à próxima fase se derrotar a Croácia na última rodada

Estadão Conteúdo

25 Junho 2018 | 10h26

O técnico Heimir Hallgrímsson analisou a pressão pela qual a Islândia, estreante em Copas do Mundo, passa para alcançar as oitavas de final em comparação a grandes seleções do mundo. Para se classificar, a equipe do treinador precisa derrotar a Croácia, às 15 horas (de Brasília) desta terça-feira, em Rostov.

+ Salah ameaça não jogar após 'encontro forçado' com líder da Chechênia

+ Berg admite 'depressão' por revés da Suécia para a Alemanha, mas confia em vaga

+ Após sofrer traumatismo, Farfán assistirá despedida do Peru na Copa em hospital

"Só metade dos times vai se classificar para as oitavas de final. Para nações como Argentina, Portugal e Alemanha, seria algo como, não uma desgraça, mas um choque não avançar para o mata-mata. Se nós conseguirmos, será, provavelmente, o maior sucesso da história do futebol islandês. É bom contextualizar o que significa para eles e o que significa para nós", comentou o treinador em coletiva de imprensa concedida nesta segunda-feira, em Rostov.

Para o duelo decisivo, Hallgrímsson diz que terá força máxima. "Todo mundo está saudável para a partida. Gudmundsson treinou conosco nesta segunda e parece bem. Como eu disse antes, ele tem melhorado a cada dia. É bem provável que ele possa jogar contra a Croácia", afirmou o treinador, se referindo ao meio-campista da seleção que se recuperou de lesão nos últimos dias.

Com a Croácia já classificada no Grupo D, a Islândia compete pela segunda vaga com Nigéria e Argentina, seleções que vão se enfrentar na última rodada. Uma vitória simples da seleção islandesa bastará em caso de triunfo argentino por só um gol de diferença - se a margem for maior, a vaga poderá ser decidida pelos critérios de saldo de gols, gols marcados, disciplina e até sorteio.

 

Empate da Nigéria cria situação semelhante porque nigerianos e islandeses poderiam chegar a quatro pontos ganhos no grupo. Neste caso, a Islândia precisaria vencer por pelo menos dois gols de diferença, já que vitória por só 1 a 0 ou margem equivalente resultaria em eliminação da equipe.

Por causa das múltiplas possibilidades, Hallgrímsson afirmou que vai ficar de olho na outra partida do grupo. "O saldo de gols estará em questão, por isso podemos mudar nossa abordagem contra a Croácia, mas não acredito que existam muitas formas de vencê-los. É uma das melhores seleções do torneio até o momento. Sempre iremos para um duelo desses com cautela. Não temos nada a perder e vamos dar tudo que há em nós", garantiu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.