Martin Divisek/EFE
Martin Divisek/EFE

Técnico indica Bélgica completa para pegar o Japão: 'Todo mundo está em forma'

Roberto Martínez havia demonstrado preocupação com a condição física dos jogadores durante a primeira fase

Estadao Conteudo

01 Julho 2018 | 11h46

Depois de muito se preocupar com as condições físicas de seus jogadores ao longo da primeira fase, o técnico Roberto Martínez deverá ter força máxima para escalar a Bélgica diante do Japão. As duas equipes se encaram nesta segunda-feira, em Rostov, no confronto que vai definir a classificação de um deles às quartas de final da Copa do Mundo.

+ Jogadores do Japão se defendem de críticas: 'Não devemos ter vergonha'

+ Mertens elogia Japão e minimiza favoritismo belga: 'Podemos voltar para casa'

+ Técnico da Bélgica comemora recuperação de Lukaku: 'Está em boa forma'

"Todo mundo no elenco está em forma e disponível, a não ser o Adnan Januzaj. Ele está com um pequeno problema no joelho", explicou, confirmando a ausência do reserva. "O grupo está em um momento muito bom. Todos os jogadores estão desesperados para estar em campo."

A principal preocupação nos últimos dias era o atacante Romelu Lukaku. Artilheiro da Bélgica no Mundial, com quatro gols em dois jogos, o jogador do Manchester United sentiu um problema no tornozelo na goleada sobre a Tunísia e foi desfalque contra a Inglaterra, quando Martínez levou o time reserva a campo, mas se recuperou bem e vai jogar.

Mesmo que houvesse algum pequeno problema físico com algum jogador, o treinador indicou que agora é o momento de fazer sacrifícios em busca do inédito título mundial. "Quando você está na Copa do Mundo, tudo é sobre atingir o seu objetivo. O Japão é um time competitivo e que está pronto para vencer."

Martínez também garantiu que seu time está pronto para encarar as dificuldades que o Japão impuser. O técnico se mostrou tranquilo até para a possibilidade de a equipe asiática tirar a posse de bola da Bélgica.

"Eu não estou preocupado para o fato de que o Japão pode tirar muito a posse de bola da gente. O que importa é neutralizar as forças deles, e eu considero que a coisa mais importante é saber o que fazer quando tiver a bola. Eu não foco na posse", explicou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.