Odd Andersen/AFP
Odd Andersen/AFP

Técnico japonês admite surpresa com contra-ataque mortal da Bélgica no final

Akira Nishino viu sua equipe sofrer virada diante de belgas, mesmo após abrir 2 a 0 no placar

Estadão Conteúdo

02 Julho 2018 | 18h14

O técnico da seleção do Japão, Akira Nishino, admitiu ter sido surpreendido com o contra-ataque mortal da Bélgica nos acréscimos do jogo disputado nesta segunda-feira. No lance decisivo, os belgas marcaram o gol da virada sobre o Japão, pelo placar de 3 a 2, e avançaram às quartas de final.

+ TEMPO REAL - Bélgica 3 x 2 Japão

+ Saiba que horas é o jogo do Brasil nas quartas de final da Copa do Mundo

"Claro que, naquele momento da partida, eu pensei que iríamos para a prorrogação. Eu não esperava aquele super contra-ataque e os meus jogadores também não esperavam que, em poucos segundos, a bola estaria no nosso campo e decidiria o jogo", declarou o treinador, ao fim da partida disputada em Rostov.

Nishino admitiu também a frustração com a dura virada, após estar vencendo por 2 a 0. "Estávamos na frente e eu decidi não mudar meus jogadores. Eu gostaria que marcássemos mais um gol e tivemos oportunidades para tanto. De certa forma, estávamos controlando a bola e o jogo. Mas a Bélgica conseguiu elevar o seu nível de jogo."

 

O Japão esteve perto de vencer a favorita Bélgica e buscar a inédita vaga nas quartas de final, nesta segunda, ao abrir 2 a 0 no marcador. A vantagem conquistada rapidamente no início do segundo tempo surpreendeu porque a equipe vinha de atuações irregulares na fase de grupos e só entrou nas oitavas pelo critério de cartões amarelos.

Para Nishino, o desempenho apresentado contra os belgas mostrou que a seleção japonesa fez jus à vaga nas oitavas. "Nosso time é bom o suficiente e, contra a Bélgica, acho que ao menos nos equiparamos a eles. Eu tinha muitos planos na minha mente, começamos bem o jogo, mas no fim, bem no fim mesmo, sofremos um gol como aquele, que não esperávamos", reconheceu o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.