Técnico lamenta oportunidades perdidas por Camarões

Ao perder por 2 a 1 para a Dinamarca neste sábado, de virada, Camarões se tornou a primeira seleção eliminada da Copa do Mundo. A derrota foi a segunda do time africano, que já tinha perdido na estreia para o Japão. Fora da briga no Mundial na África do Sul, o francês Paul Le Guen, técnico camaronês, lamentou muito as chances desperdiçadas pela sua equipe.

JAMIL CHADE, Agência Estado

19 de junho de 2010 | 19h58

"O que nos faltou foi eficiência na frente do gol. Tivemos várias chances muito claras e não acertamos", afirmou Le Guen. "Fomos mal nas finalizações, mas tenho a sensação de que nos esforçamos ao máximo esta noite", continuou o técnico, fazendo questão de elogiar o seu time. "O jogo de hoje (sábado) mostrou que a equipe teve alma."

Mas Le Guen não escapou da pressão pela eliminação precoce. "Eu sou o responsável, não os jogadores", ressaltou o comandante, que vem sendo muito contestado pelos atletas após a derrota na estreia, para o Japão. O técnico, porém, garante que não pretende deixar o cargo. "Não vou pedir demissão", disse.

Sobre a polêmica com o astro da equipe, Samuel Eto''o, que vem encabeçando as críticas ao treinador, Le Guen foi contido. "Todas seleções são difíceis de gerenciar, principalmente esta", comentou. "Eu não tenho nenhum arrependimento e é assim que trabalho", concluiu o treinador de Camarões, que cumpre tabela contra a Holanda na próxima quinta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2010futebolCamarõesPaul Le Guen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.