Carlos Gregorio Jr./Vasco
Carlos Gregorio Jr./Vasco

Técnico mantém dúvida sobre Galhardo ou Bruno César no Vasco: 'Dor de cabeça boa'

Alberto Valentim não revelou quem jogo contra o Boavista, neste sábado

Redação, Estadão Conteúdo

01 de março de 2019 | 10h34

Quando a fase é boa, até mesmo disputa por um lugar entre os titulares é considerada como um fato positivo para o treinador. No Vasco, invicto na temporada e já com um título conquistado - a Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca -, o técnico Alberto Valentim ganhou uma "dor de cabeça boa" para escolher entre os meias Thiago Galhardo e Bruno César para o jogo contra o Boavista, neste sábado, no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, pela segunda rodada da Taça Rio (segundo turno do Estadual).

"Eu falei que quando tivesse dois jogadores bons seria uma dor de cabeça boa. E isso é muito bom. O Bruno está ganhando ritmo de jogo, o Thiago (Galhardo) está muito bem, terminou o ano muito bem. Está dando um salto de qualidade na carreira. Quem ganha com isso é o Vasco. Depois eu vou, dentro daquilo que quero e vendo a formação do adversário, montar esses 11. Temos de lembrar que às vezes no Brasil os jogos são decididos também por quem entra no decorrer do jogo", disse o treinador, em entrevista coletiva nesta sexta-feira.

Thiago Galhardo foi liberado pelo departamento médico após se recuperar de um edema muscular. Em sua ausência nas últimas partidas - pelo Campeonato Carioca e pela Copa do Brasil -, Bruno César ganhou oportunidades, melhorou seu ritmo de jogo e criou dúvida na cabeça do técnico do Vasco.

Mas essa questão não é a única para Valentim. Outra é a presença do atacante argentino Maxi López, que não treinou na última quinta-feira após apresentar um quadro de sinusite e enjoo. "Ele teve um problema intestinal. Alguma coisa que o fez mal. Eu sempre conto com o jogador até o último minuto", revelou o treinador, que decidirá a escalação momentos antes do confronto contra o Boavista, marcado para as 16h30 deste sábado.

Descontraído, o comandante vascaíno ainda falou sobre o carnaval. Natural de Oliveira, cidade do interior de Minas Gerais, Valentim disse que não é do samba e admitiu a preferência pelo sertanejo, mas ressaltou que vai aproveitar a folga para curtir os desfiles das escolas de samba na Marquês de Sapucaí. "Nesse ano, domingo ou segunda devo assistir a essa coisa maravilhosa aí que é o desfile. Emocionante. Mas sou mineiro, do interior. Meu negócio é sertanejo. Ano passado eu assisti ao desfile das campeãs e achei muito legal", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.