Yuri Cortez/AFP
Yuri Cortez/AFP

Técnico nega que Croácia na semifinal seja surpresa e vê atletas 'subvalorizados'

Zlatko Dalic vê equipe com qualidade suficiente para estar onde está, apesar de números recentes pouco expressivos

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

10 Julho 2018 | 14h14

A Croácia não quer ser vista como zebra no confronto desta quarta-feira com a Inglaterra pela semifinal da Copa do Mundo, às 15 horas (horário de Brasília), em Moscou. O técnico Zlatko Dalic afirmou que sua equipe tem jogadores nos grandes clubes europeus. Ele acredita que a falta de resultados relevantes nos últimos anos não significa que a Croácia seja uma surpresa.

+ Dele Alli poderia ser príncipe na Nigéria, mas trocou a coroa pela bola

+ Maradona exalta número de imigrantes nas seleções semifinalistas da Copa

+ Essencial na campanha da Inglaterra na Copa, Maguire diz: 'Continuarei crescendo'

"A Croácia tem ótimos jogadores em grandes clubes da Europa. Não conseguimos um resultado importante como seleção nos últimos anos. Estivemos abaixo do que podemos. Mas não deveria ser surpresa que estamos entre os quatro finalistas, pela qualidade dos jogadores. Esses jogadores foram subvalorizados por muito tempo, pela falta de resultados da seleção", afirmou o treinador em entrevista coletiva nesta terça-feira em Moscou. "Essa é a chance de estarem na história. O fato de termos jogadores em grandes clubes como Real Madrid e Barcelona mostra que eles têm qualidade", completou o treinador.

O treinador revela que espera um confronto diferente em relação aos jogos anteriores da Croácia, contra Dinamarca e Rússia, eliminados apenas nas cobranças de pênaltis após empates na prorrogação e no tempo normal dos duelos. "Estamos analisando todos os jogos da Inglaterra. Mostramos tudo o que pudemos aos jogadores. Sabemos quais são as ameaças. Depois de Islândia, Dinamarca e Rússia, esperamos um rival diferente", afirmou o treinador, relacionando as diferenças ao estilo de jogo do time inglês.

 

Ele mostrou preocupação com a bola parada do time inglês - mais de 70% dos gols da Inglaterra foram feitos com cruzamentos na área. "Temos que ficar atentos as bolas paradas deles. Mas não temos razões para estar nervosos ou sob pressão. Estamos livres de pressão. E não importa quem estiver do outro lado, estamos aqui para jogar nosso melhor futebol. E o resultado será o que será", disse o treinador.

Questionado sobre o que esperava da população de seu país em caso de conquista de título na Copa do Mundo, o treinador respondeu com bom humor. "O futebol fez muitas pessoas felizes na Croácia. Não posso imaginar o que acontecerá se ganharmos. Talvez ninguém vá trabalhar. Já não estamos trabalhando muito agora, imagina se ganharmos", brincou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.