Antonio Calanni/ AP
Antonio Calanni/ AP

Técnico pede que Itália use talento para superar jogo físico da Suécia

'Se for para conseguirmos a classificação, faremos isso jogando futebol', afirma Gian Piero Ventura

Estadao Conteudo

12 Novembro 2017 | 13h18

O técnico Gian Piero Ventura ficou bastante irritado com a violência da Suécia na primeira partida da Itália na repescagem europeia para a Copa do Mundo do ano que vem. O treinador considerou que a derrota por 1 a 0, em Solna, foi causada em partes pelo jogo físico do adversário. E para superá-lo, pediu que os italianos façam valer o talento no duelo de volta, nesta segunda-feira, em Milão.

+ Após pancada, Isco é cortado da seleção espanhola e não pegará a Rússia

+ Mbappé considera 'normal' choro de Neymar: 'Mostra que é um ser humano'

"Nós somos a Itália. Se for para conseguirmos a classificação, faremos isso jogando futebol. Isso não significa que a Suécia não jogará. Eu não sei qual o tipo de partida que jogaremos amanhã, mas espero que tenhamos um comportamento esportivo melhor", declarou neste domingo.

Ventura disparou contra algumas faltas mais duras cometidas pelos suecos, em especial a que gerou uma fratura no nariz do zagueiro Bonucci. "Eu acho que a partida poderia ter sido mais controlada no comportamento esportivo. E isso fica mais evidente se alguém precisa jogar amanhã com uma máscara."

O treinador está pressionado no comando da Itália e tem sido alvo de críticas da torcida e da imprensa. Afinal, pode ver o país ficar de fora da Copa do Mundo apenas pela terceira vez na história, a primeira desde 1958. Para evitar este vexame, a seleção precisa vencer por dois gols de diferença na segunda.

"Eu sei que a partida é fundamental para nós, mas é o mesmo cenário desde que cheguei ao time. Eu honestamente não entendo. As pessoas estão surpresas que estejamos jogando a repescagem, mas este é o cenário desde o início. Agora que estamos aqui, tomaremos algumas decisões se perdermos. Se ganharmos, tomaremos outras", considerou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.