Técnico português critica juiz: 'Pendeu para a Alemanha'

Paulo Bento reconhece as falhas de sua equipe, mas aponta erros do juiz, como a expulsão de Pepe e o pênalti em Mario Götze

Mateus Silva Alves - Enviado especial a Salvador, O Estado de S. Paulo

16 Junho 2014 | 17h02

O técnico Paulo Bento estava consternado na entrevista coletiva que concedeu após a goleada que Portugal levou da Alemanha, nesta segunda-feira, na Arena Fonte Nova. E não era para menos, pois a estreia dos portugueses na Copa do Mundo foi um completo desastre. O time levou 4 a 0, perdeu dois jogadores por lesão e um por expulsão e se complicou no Grupo G.

Ao fim da partida, o treinador elogiou o bom futebol exibido pela Alemanha, mas reservou algumas palavras pouco simpáticas para o árbitro sérvio Milorad Mazic. Segundo Bento, o juiz teve influência no resultado final.

"No primeiro tempo, o jogo foi condicionado pelo árbitro. A expulsão de Pepe foi forçada e eu também acho que o pênalti foi forçado", disse o técnico, referindo-se ao lance que originou o primeiro gol da partida. "Na dúvida, o árbitro pendeu sempre para a Alemanha, e eu me refiro diretamente ao pênalti e à expulsão."

Além das queixas contra o sérvio, Paulo Bento também fez críticas a sua equipe. O treinador da seleção lusitana acredita que a grande vantagem da Alemanha sobre Portugal, especialmente no primeiro tempo, foi a maior eficiência na conclusão das jogadas.

"Nós tivemos erros defensivos e também ofensivos. A equipe sentiu falta de mais efetividade nas finalizações. Na comparação com a Alemanha, foi uma diferença tremenda", ponderou. Paulo Bento sabe que terá uma missão ingrata nos próximos dias: levantar o moral de um grupo de jogadores abatido pela goleada e pelas baixas na equipe.

Pepe, que foi expulso, não jogará contra os Estados Unidos no domingo, em Manaus, e Fábio Coentrão e Hugo Almeida, que saíram do jogo desta segunda-feira por causa de lesões musculares, dificilmente terão condições de enfrentar os norte-americanos.

Apesar de tudo isso, o técnico tenta manter o otimismo. "O momento é complicado, mas é nas adversidades que temos de mostrar a nossa capacidade", falou Paulo Bento. "Teremos de vencer os dois próximos jogos e estaremos sob pressão, mas não é a primeira vez que ficamos sob pressão em uma fase de grupos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.