Técnico se demite por ser contra escalação de Cabañas

O treinador do 12 de Octubre, equipe da terceira divisão do Paraguai, pediu demissão nesta quarta-feira por não querer escalar o atacante Salvador Cabañas. Rolando Chilavert discordou da análise médica, que apontou que o jogador está pronto para voltar ao futebol, após ser baleado na cabeça em janeiro de 2010, e bateu de frente com a diretoria do clube.

AE, Agência Estado

06 de junho de 2012 | 12h20

"Os dirigentes me contrataram para que eu faça a equipe ser campeã, mas ao mesmo tempo me pediram para que o Cabañas jogue. Infelizmente ele ainda não está em condições físicas para isso", declarou o técnico, irmão mais velho do ex-goleiro José Luis Chilavert.

Cabañas vem treinando com o 12 de Octubre desde fevereiro e, na época, o clube disse que ele só voltaria a campo quando todas as garantias médicas fossem dadas. Chilavert admitiu que o atacante tem mostrado evolução em sua recuperação, mas garantiu que ele ainda não tem condições de voltar ao futebol profissional.

"Cabañas teve o milagre de salvar sua vida e desde fevereiro, quando se incorporou ao plantel, até hoje teve evolução. Por exemplo, já caminha, trota e corre com muita confiança. Dói dizer isso, mas tem um problema na visão com o olho esquerdo (a bala esta alojada no lado direito do crânio), então não consegue virar para a esquerda quando está de costas para o gol", comentou.

O treinador ainda listou outros problemas que detectou em Cabañas durante os treinamentos. "Além disso, ainda não recuperou outras qualidades, como a iniciativa própria para dominar a bola, iludir os adversários, dar passes e buscar espaços para bater ao gol", avaliou.

Chilavert, no entanto, garantiu que nunca se opôs aos treinamentos do jogador com o elenco, pelo contrário. "Ele precisa de uma recuperação humanista, treinar com o plantel para sentir o afeto de seus companheiros, do público. E que jogasse com a gente na equipe reserva, até que conseguisse sua recuperação total".

Conhecido como carrasco dos brasileiros, por suas atuações com o Paraguai, contra o Brasil, e com o América do México, diante de Santos e Flamengo, na Libertadores de 2008, Cabañas foi baleado no dia 25 de janeiro de 2010, após uma briga de bar na Cidade do México. Como consequência, ele ficou com deficiências na visão do olho esquerdo e problemas de caráter cognitivo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebol12 de OctubreCabañas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.