Técnico uruguaio quer desfrutar Copa das Confederações

SÃO PAULO - O técnico uruguaio Oscar Tabárez enxerga a Copa das Confederações não como uma possibilidade de conquistar o único título que falta ao seu país no futebol, mas como uma grande oportunidade de colocar seus jogadores diante das principais seleções do mundo. Nesta sexta, ele participou de uma apresentação das seleções do torneio e rasgou elogios aos rivais no torneio.

Paulo Favero, Agência Estado

30 de novembro de 2012 | 12h09

"Ganhamos o direito de disputar este torneio e pensamos em desfrutá-lo. Vamos enfrentar uma Espanha fantástica, um México florescente de tantas conquistas, com um time jovem, uma Itália que tem muita tradição defensiva e que o [Cesare] Prandelli colocou uma vocação de ataque, além do Japão, que mostra um bom jogo, e o Taiti, por quem temos muito respeito", disse.

Ele também lembrou que o representante africano será uma equipe de forte poderio. "Depois disso vamos ver o que acontece. O resultado final parece secundário comparado a tudo que já mencionei", afirmou. O treinador do atual campeão da Copa América também vai contra as críticas que se faz ao Brasil e sabe que sua equipe terá muito trabalho diante dos donos da casa.

"Vendo de fora, não teria uma visão pessimista. O Brasil é uma potência mundial no futebol. Vemos a quantidade de bons jogadores que aparecem no Brasil, desde o Sub-15 a Sub-20. É incrível, tem uma potencialidade grande. Eu sigo considerando o Brasil como um dos centros futebolísticos do mundo."

Tabárez sabe que a situação do Uruguai nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo não é das melhores, mas acha que sua equipe tem condições de reagir, graças à força coletiva. "Concluímos que era apenas um problema futebolístico, não de grupo, então começamos a trabalhar nesses aspectos. Acho que estamos recuperando, pelo menos do ponto de vista conceitual. Mas só saberemos se deu resultado após a partida contra o Paraguai, em março", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.