Técnicos de destaque em 2014 prometem estilo ofensivo

Técnicos de destaque em 2014 prometem estilo ofensivo

Nomes da nova geração de treinadores, como Doriva e Eduardo Baptista, acham importante buscar a vitória dentro e fora de casa

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2014 | 07h00

Os treinadores que se destacaram em 2014 prometem superar os desafios da afirmação na profissão com um futebol ofensivo no ano que vem. Depois de se tornarem boas alternativas aos medalhões, dão a receita do time ideal: jogar coletivamente e buscar a vitória dentro e fora de casa. 

Em seu primeiro trabalho como treinador, Doriva conseguiu o título paulista desbancando o Santos no Pacaembu. Na sequência, uma frustração na rápida passagem pelo Atlético Paranaense. Acabou demitido depois de oito jogos (três vitórias, três derrotas e dois empates). Agora, assinou contrato com o Vasco. “O futebol moderno exige que todos os jogadores vivam o jogo no ataque e na defesa. E o mais importante é montar uma estratégia para vencer sempre”, afirmou. 

Os números mostram que Doriva vai ter se reinventar em um time grande. O forte do Ituano era a defesa e só levou 11 gols em 19 partidas. No ataque, considerando o Ituano e o Atlético-PR, a média de gols marcados foi menor que um por partida. 


A vontade de atacar também é um desejo do novo chefe de Doriva, o presidente Eurico Miranda. “Ele vem para colocar o Vasco para jogar para a frente. É um pedido meu. Ele arma o time como quiser, desde que o Vasco jogue para a frente”, disse o presidente na apresentação do novo treinador. 

Eduardo Baptista tinha o objetivo inicial de garantir a permanência do Sport na elite – no ano anterior, o time pernambucano havia disputado a Série B. Conseguiu ir além e classificou a equipe à Copa Sul-Americana. Além disso, encerrou um jejum de quatro anos sem títulos e levou o Campeonato Pernambucano e a Copa do Nordeste. 

Para 2015, com a base de 19 atletas mantida, pretende continuar sua filosofia de “futebol solidário”. “Todos têm de atacar e defender. O atacante começa marcando e o zagueiro inicia a criação da jogada”, diz o filho de Nelsinho Baptista. “Uma marcação boa permite os contra-ataques e a criação. O ataque nasce da organização na defesa”, afirma o treinador. 


O ex-zagueiro Argel chegou em julho ao Figueirense como treinador pela segunda vez (a primeira havia sido em 2012) e foi um dos responsáveis pela boa campanha. Encontrou a equipe na lanterna e terminou em 13.º lugar. “Peguei a equipe com somente sete pontos e ajudei na recuperação sem fazer revolução. Lançamos 12 atletas da base e conseguimos fazer um campeonato espetacular de recuperação”. 

Os destaques da campanha do Figueirense foram os jogos fora de casa, reafirmando o que disse Doriva. O time catarinense venceu Corinthians, Inter e Botafogo, além de empatar com São Paulo e Flamengo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.