Erico Leonan/São Paulo FC e Gustavo Garello/AP
Erico Leonan/São Paulo FC e Gustavo Garello/AP

Técnicos jovens sonham com consagração em clássico pelo Paulista

Aos 44 anos, Eduardo Baptista e Rogério Ceni buscam vitória sobre rival no Palmeiras x São Paulo deste sábado

Ciro Campos, Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

11 de março de 2017 | 07h00

Dois técnicos de 44 anos lideram os dois melhores ataques do Campeonato Paulista no clássico deste sábado, às 16h, no Allianz Parque. O Palmeiras, de Eduardo Baptista, e o São Paulo, de Rogério Ceni, entram em campo para superar o cansaço da sequência de jogos e usar o duelo com o rival como incentivo para os jogos do meio da próxima semana.

Os treinadores chegaram ao cargo no começo deste ano e pelo menos no quesito ataque têm apresentado resultados convincentes no Estadual. O São Paulo marcou 21 vezes e é o time mais ofensivo da competição. O Palmeiras vem logo depois, com 14 gols no torneio.

O caráter especial de qualquer clássico poderia ser ainda maior neste sábado caso os dois técnicos não estivessem preocupados com os duelos da próxima quarta. O Palmeiras vai receber o Jorge Wilstermann, pela Copa Libertadores, e o São Paulo viaja a Natal para enfrentar o ABC, pela Copa do Brasil.

Baptista e Ceni têm em comum, além da idade, a obsessão pelos detalhes no trabalho. O palmeirense usou as férias para ver a gravação de todos os jogos do time no Brasileirão do ano passado e analisar a parte tática. O ex-goleiro tem aplicado no São Paulo métodos diferentes de treinamento e procura participar de cada atividade.

Para o técnico do Palmeiras, só esses esforços já fazem o treinador merecer reconhecimento. "Tanto se cobra uma renovação de técnicos, mas precisa de mais paciência. O Rogério é muito corajoso", disse Baptista ao elogiar o trabalho do colega.

A equipe alviverde vai defender o retrospecto de três vitórias sobre o rival no Allianz Parque. Não terá o volante Felipe Melo, suspenso, mas conta com a volta de Tchê Tchê, recuperado de fratura no ombro esquerdo. A expectativa da torcida é para ver se no ataque Borja será escalado. O colombiano foi o autor de quatro gols sobre o São Paulo na Libertadores de 2016.

Outra novidade deve ser a entrada do meia Guerra. O venezuelano ainda não jogou uma partida inteira pelo Palmeiras e é cotado como o substituto de Dudu, que deve ser poupado para evitar desgaste físico. "Nós não temos um time definido, mas um elenco", diz Baptista.

Do outro lado, Rogério Ceni não diminui a preocupação por causa de possíveis ausências no adversário. "O Palmeiras nunca é um time misto, é grande. Tem tanto jogador bom que até é difícil para ele (Eduardo Baptista) definir quem são os titulares", explicou o técnico, que já avisou que a equipe será diferente do que venceu o ABC quarta.

Buffarini entra na vaga de Bruno. Na frente, Pratto e Luiz Araújo podem ganhar um descanso e ficar no banco de reservas, dando lugar a Gilberto e Wellington Nem. Como Ceni fechou o último treino antes do clássico, a divulgação da equipe será feita apenas no vestiário.

"Será um jogo complicado. Eu joguei duas vezes lá e perdi. O São Paulo fez três jogos lá e perdeu. Vamos tentar encontrar um time que jogue de igual para igual", comentou Ceni.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X SÃO PAULO

PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean (Fabiano), Vitor Hugo, Mina e Egídio; Thiago Santos e Tchê Tchê; M. Bastos, Guerra e Róger Guedes; Borja (Willian). Técnico: Eduardo Baptista

SÃO PAULO: Denis; Buffarini, Breno (Douglas), Rodrigo Caio e Junior Tavares; João Schmidt, Thiago Mendes e Cicero; Wellington Nem, Pratto (Gilberto) e Cueva. Técnico: Rogério Ceni

Juiz: Marcelo Aparecido R. de Souza 

Local: Allianz Parque, em São Paulo

Horário: 16h

Na TV: Pay-per-view 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.