Vadin Ghirda/AP
Vadin Ghirda/AP

Tecnologia é necessidade, diz Blatter após erro na Euro

Presidente da Fifa defende nova regra após lance polêmico na partida entre Inglaterra e Ucrânia

AE, Agência Estado

20 de junho de 2012 | 09h44

A polêmica sobre uso de tecnologia no futebol ganhou mais um episódio na última terça-feira, durante a partida entre Ucrânia e Inglaterra, pela Eurocopa. Quando o placar apontava 1 a 0 para os ingleses, o ucraniano Marko Devic bateu uma bola, que desviou no goleiro Joe Hart e foi afastada pelo zagueiro John Terry. As câmeras de televisão, no entanto, mostraram que ela já havia passado totalmente a linha de gol.

Após o lance, o presidente da Fifa, Joseph Blatter utilizou sua página oficial no Twitter para comentar o assunto e defender o uso da tecnologia. "Após a partida da última noite (horário local) a tecnologia na linha de gol não é mais uma alternativa, mas uma necessidade", escreveu.

Se o gol tivesse sido confirmado, a Ucrânia teria empatado a partida e ganhado ânimo para buscar a virada, resultado necessário para que a equipe continuasse na competição. Donos da casa, os ucranianos - desde o técnico Oleg Blokhin até os torcedores - se revoltaram com a decisão do árbitro.

Esta Eurocopa está servindo como teste para a utilização de cinco árbitros - o principal, dois auxiliares e dois juízes que atuam na linha de fundo - a cada partida, como tem acontecido no Campeonato Brasileiro. A Fifa decidirá no dia 5 de julho se esta prática será oficialmente aprovada. No mesmo dia, a entidade também se pronunciará sobre as duas tecnologias de linha de gol que estão sendo testadas na Inglaterra e na Dinamarca.

Blatter estuda a implementação da tecnologia no futebol desde que esta polêmica voltou a ganhar força, em 2010. Naquele ano, durante uma partida entre Inglaterra e Alemanha, pelas oitavas de final Copa do Mundo da África do Sul, Frank Lampard chutou a bola, que bateu no travessão e entrou no gol, quando os alemães venciam por 2 a 1. O árbitro Jorge Larrionda mandou o jogo seguir e os ingleses acabaram derrotados por 4 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.