Teixeira admite prejuízo, CPI contesta

Na abertura dos trabalhos da CPI CBF/Nike, nesta terça-feira, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, admitiu que a entidade tem perdido anualmente US$ 1 milhão depois que abriu mão do percentual de 5% da renda bruta do campeonato brasileiro. A CBF, disse Teixeira, "também abriu mão dos 7,5% dos direitos de televisão, mais de US$ 5 milhões anualmente, além da taxa de 2% das transferências internacionais de 98 a 2000, cerca de US$ 18 milhões".Para o relator da CPI, o deputado Silvio Torres (PSDB-SP), não está clara a informação de Teixeira de que a CBF perdeu recursos uma vez que entre julho de 96 e janeiro de 99 a entidade recebeu cerca de US$ 40 milhões, entre dinheiro da Nike, outras fontes de receitas e US$ 15 milhões que a mesma tomou emprestado ao Delta Bank, de Nova York. Ricardo Teixeira disse na CPI que não poderia responder sobre todas as contas da entidade porque não dispõe de sua contabilidade. "Prometo em 48 horas tirar todas as dúvidas que a CPI tiver a respeito de entradas e saídas na CBF de 96 até hoje" . Ricardo Teixeira disse também que o fato de haver reunião da comissão técnica com integrantes da Nike "não significa que exista interferência na escalação da seleção brasileira".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.