Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Teixeira: destino do Maracanã é implosão

O entusiasmo pela possível escolha do Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014 recebeu uma ducha de água fria. Empresários, investidores e até o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, apresentaram uma série de empecilhos que atravancam o antigo sonho. Só para se ter idéia, Teixeira, sem esconder sua contrariedade, reconheceu que o Maracanã, um dos estádios mais paparicados do País, só tem um destino: a implosão. "Ali não tem jeito. Teria de ser implodido", afirmou em entrevista exibida na abertura do simpósio intitulado "Financiamento, Retorno e Oportunidade nos Negócios do Esporte no Brasil", realizado hoje, na capital. De acordo com o cartola, o principal problema do "maior estádio do mundo" é estrutural. "Para abrigar uma Copa do Mundo seria necessário algumas milhares de vagas de estacionamento, o que não é possível de ser feito atualmente", explicou. Chegou a ser curioso a diferença de pensamentos e argumentos, por exemplo, do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, e do presidente do International Sports Group (ISG), Richard Law. O primeiro fez defesa enfática da candidatura brasileira a sede de grandes eventos, no caso os Jogos Olímpicos, apesar do fracasso do Rio na pretensão pela Olimpíada de 2012. "O Brasil vai realizar a Olimpíada, o país precisa da Olimpíada", afirmou. Realidade - A missão de colocar os pés de todos no chão coube a Law. O executivo, que comandava as ações do fundo americano Hicks, Muse, Tate and Furst (HMTF) no Brasil, no período da parceria com Corinthians e Cruzeiro, foi curto e grosso. "Esse País não tem a menor condição de realizar uma Olimpíada ou Copa do Mundo nesse momento", afirmou. "E digo mais, 2014 está aí e se nada começar a ser feito, nem daqui 10 anos o Brasil reunirá as condições mínimas para tal." E um dos pontos fundamentais para sustentar qualquer pretensão, a capacidade de atrair investimentos, é afastada pelo americano. "Eu diria que a chance de investidores internacionais voltarem a direcionar recursos para o Brasil é zero, pelo menos no curto prazo", sentenciou, referindo-se aos seguidos problemas de políticas administrativas, legais e econômicas pouco claras no País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.