Teixeira diz que crise não deve atrapalhar Copa de 2014

A crise econômica mundial não deve ter grande impacto na Copa do Mundo de 2014, segundo o presidente da CBF, Ricardo Teixeira. Para o dirigente, o atual cenário será superado, e daqui a cinco anos, o País organizará o evento sem problemas."Faltam cinco anos [para a Copa]. Será que vamos ter cinco anos de crise? Aí, acabou o mundo!", disse Teixeira, que não mostrou preocupação com as obras em estádios. "Os projetos das 17 cidades têm participação da iniciativa privada. É ela que vai custear", afirmou. O presidente da Fifa também mostrou tranquilidade frente às incertezas do cenário econômico mundial. "Nesse momento de crise, precisamos de emoções. Pode algo nos dar mais emoções do que o futebol?", afirmou Joseph Blatter, em português, depois de almoçar com o governador de São Paulo, José Serra, no Palácio dos Bandeirantes. Segundo Serra,o governo não vai mesmo ajudar na construção dos estádios, pois terá como prioridade investimentos em outras áreas. "O poder público garante toda a infraestrutura, mas não dará recursos para os estádios."A partir de sexta-feira, um grupo de três representantes da Fifa - que não inclui Blatter - começará uma série de visitas às cidades brasileiras que pleiteiam o direito de receber jogos do Mundial. Na manhã de quinta-feira, o presidente da Fifa tem um encontro com o presidente Lula, no Palácio do Planalto. Depois, o dirigente vai a Assunção, onde participará de evento da Conmebol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.