Teixeira nega crise no Santos

O presidente Marcelo Teixeira reuniu a imprensa nesta quarta-feira para negar que o Santos esteja vivendo uma crise financeira. "A situação do futebol é difícil, mas o clube está conseguindo honrar seus compromissos", disse ele, informando que o pagamento de salários está em dia. Fez uma ressalva: os direitos de imagem vencidos dia 20 de janeiro ainda não foram pagos. Negou qualquer falsificação de documento no caso Fumagalli. Logo depois do encontro com os jornalistas, Teixeira recebeu o empresário de Marcelinho Carioca, James Arruda, que foi à Vila Belmiro tentar receber salários que não foram pagos. Enquanto o presidente tentava passar uma imagem positiva do Santos, uma notícia acabou vazando: o centroavante Oséas distribuiu aos funcionários do CT Rei Pelé 40 cestas básicas. Ele mantinha a caridade sob sigilo até mesmo de seus companheiros de equipe e ficou surpreso e incomodado. "É um agradecimento a eles que eles cortam a grama e fazem a limpeza com tanto carinho para aumentar nosso conforto." A informação que correu, porém, era a de que os salários também desses funcionários estavam atrasados, fato desmentido pela diretoria. Segundo os dirigentes, o pagamento ocorreu dia 8, véspera do carnaval. Marcelo Teixeira reclamou da exposição negativa do Santos na mídia e passou a responder ponto por ponto as principais críticas. Revelou que não houve sustação de cheques, mas sim a apresentação deles antes dos prazos acertados. Esclareceu que há ações na Justiça envolvendo Galván, Carlos Germano, Deivid, Fumagalli, Márcio Santos e Caio. "Em algumas delas, é o Santos que está buscando seus direitos." Sobre os salários, informou que a prioridade é o pagamento dos jogadores que estão no elenco. "Nos outros casos, estamos fazendo composição e acordos para equacionar as pendências." Um deles é o do técnico Cabralzinho, que vai receber o que oclube lhe deve em três parcelas. Preto e William foram poupados no coletivo desta quarta-feira e Celso Roth aproveitou para fazer experiências. Uma delas foi a volta ao 4-4-2, com Diego atuando no ataque, ao lado de Oséas. Experimentou também Renatinho no lugar de Paulo Almeida, mas só irá definir o time para o jogo de domingo, contra o Flamengo, na sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.