Teixeira passa bem após cirurgia

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, de 54 anos, se submeteu nesta sexta-feira a uma angioplastia, para desobstruir mecanicamente a coronária direita, que estava com uma lesão de 85%. Segundo o cardiologista Roberto Horcades, a intervenção foi um sucesso e Teixeira reagiu bem. "Ele realizou um teste de esforço, na terça-feira, e foi reprovado. Em um novo exame realizado nesta sexta-feira (Cinecoronariografia) ficou constatado que ele tinha duas lesões nas artérias do coração.A angioplastia deveria ter sido realizada na quarta-feira mas, por causa de compromissos inadiáveis do Ricardo, não foi possível", disse Horcades, que há 25 anos cuida do presidente da CBF. A previsão de Horcades é a de que Teixeira, que foi internado às 10 horas no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo (zona sul), seja transferido neste sábado do Centro de Terapia Intensiva (CTI) para um quarto. O cardiologista disse que na segunda-feira o dirigente deverá receber alta. O presidente da CBF, segundo o médico, precisará ficar afastado de suas atividades por 15 dias. "Tudo o que está acontecendo, as denúncias, as pressões e tensões do cargo que ele ocupa contribuíram para este quadro.Somam-se a esses problemas o fato de ele ser diabético, estar com uma alta taxa de colesterol e levar uma vida sedentária", disse Horcades. Durante a angioplastia, Teixeira recebeu um Stent (malha metálica) para impedir que sua coronária direita volte a fechar. Horcades disse que se os problemas não fossem corrigidos, o dirigente poderia sofrer um enfarte. Teixeira está no hospital acompanhado por sua filha, Joana.Desconforto - Horcades explicou que na sexta-feira, dia 24 de agosto, foi chamado por Teixeira. O cardiologista disse ter estranhado a atitude do presidente da CBF, que sempre fugiu dos exames médicos. O último check-up realizado pelo dirigente foi antes da Copa do Mundo da França, em 1998."O Ricardo é uma pessoa rebelde e sua rotina dificulta a realização de exames. Quem conhece o Ricardo sabe que ele esconde as coisas", disse Horcades. "Ele me falou que estava desconfortável. Era como se não estivesse sentindo o braço direito." Além de não poder viajar para Buenos Aires com a seleção brasileira, que no dia 5 enfrenta a Argentina, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2002, o presidente da CBF pode até ser proibido de ver a partida pela TV. "Até eu para assistir a um jogo do Brasil estou precisando tomar um remédio para os nervos. Imagine ele! Tudo vai depender de seu quadro clínico", frisou Horcades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.