Teixeira se irrita em evento festivo

Para valorizar ainda mais o Campeonato Brasileiro, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) começou a organizar quatro meses atrás uma grande festa para o encerramento da competição, lançada nesta quinta e prevista para 5 de dezembro, um dia após o término do Nacional.Mas, o evento festivo transcorreu em clima de constrangimento, ofuscado pelas denúncias recentes de manipulação de resultados na Série A e a morte de três torcedores paulistas, o que motivou o presidente da entidade, Ricardo Teixeira, a ser agressivo em seu discurso. ?Está se dando credibilidade a bandido. E lugar de bandido é na prisão?, disse o presidente da CBF, se referindo ao escândalo da ?Máfia do Apito? e à denúncia de que o árbitro Heber Roberto Lopes (Fifa-PR) também estaria envolvido no episódio. ?Me falaram que os procuradores já disseram que o nome dele não foi citado no depoimento.? Em seguida, Teixeira encerrou bruscamente a entrevista ao ser indagado sobre a intenção do Santos, que planeja recorrer ao Corte Arbitral do Esporte, na Suíça, para revalidar as partidas anuladas do Brasileiro: ?muito obrigado e boa tarde?.Superado o desconforto inicial, o presidente da CBF destacou a importância da premiação, que tem por objetivo valorizar o atleta brasileiro, além de estimular o desempenho nos gramados. Principalmente, porque serão eleitos os melhores jogadores de cada posição (um goleiro, quatro defensores, quatro meias e dois atacantes), técnico, os clubes vencedores das séries A, B e C, o artilheiro da Primeira Divisão, o craque do ano, e até o melhor árbitro.A previsão é a de que sejam investidos R$ 600 mil na festa que ocorrerá no Teatro João Caetano, no Centro do Rio, e na partida do dia 11 de dezembro, onde se enfrentarão os eleitos melhores jogadores do Brasileiro, contra o time campeão do Nacional. A tendência é a de que o confronto seja realizado em São Paulo. E, no próximo ano, um projeto para a realização de uma outra festa, desta vez a de abertura da disputa, já está em estudo.Os melhores do Brasileiro serão eleitos por um júri formado pelos 22 técnicos e capitães participantes da série A, por 235 jornalistas e por ex-craques participantes do Nacional. Uma comissão formada por ?pessoas amantes do futebol?, como o coordenador-técnico da seleção, Zagallo, a ex-jogadora de basquete Hortência, o humorista Chico Anysio e o ator Marcos Palmeira será a responsável pelo processo de escolha.Como sempre, Zagallo não se incomodou com as perguntas e foi quem teve o melhor desempenho. Sem receio ou pudores destacou que a festa ?Craque Brasileirão 2005? não poderia deixar de ser realizada, apesar dos problemas na competição, porque o mais importante é reconhecer o esforço dos atletas, clubes e a devoção dos torcedores.?Hoje é dia de festa. Temos que esquecer a lambança que um árbitro fez. Não podemos deixar que uma ovelha negra estrague tudo?, frisou Zagallo, que em seguida destacou que a Alemanha passou por uma crise pior do que a brasileira. ?Isso tudo aconteceu também na Alemanha que vai organizar a Copa do Mundo de 2006. E lá a situação é pior do que a daqui.?

Agencia Estado,

20 de outubro de 2005 | 19h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.